Viagem Interior  Pager

  0 Ponto Quinze

Uma qualidade maravilhosa está escondida no Ponto Quinze, o Xamã, um Ponto muito mal compreendido, até pelas pessoas inspiradas. A figura com chifres na cabeça nada tem de diabólico. É muito antiga. Já se encontrava gravada na rocha, há 35 mil anos atrás, em uma caverna pré-histórica da França.

Um xamã dessa época se vestiu com uma pele de animal, colocou na cabeça chifres de cervo, identificou-se com um cervo, para recuperar a divina sensibilidade animal, essa total harmonia, essa unidade com a Natureza, que permite prever se o inverno será rigoroso, que permite sentir onde se esconde a manada dos cervos, para que a tribo possa caçar, matar um cervo. Poderia matar muitos cervos, mas respeitava. Precisa de um, mata um. Respeita a vida.
Fazia o que faz um ator. Imaginava-se um cervo, como um ator se imagina o rei Lear ou Othelo. Não era um animal, era um homem em comunhão com a alma dos cervos. Era muito mais do que um cervo. Era mais do que um homem comum. Era um homem inspirado.

Os gregos fizeram dessa figura o Deus Pan, o Deus da Natureza, esse Deus que toca a maravilhosa flauta de Pan. Mas, quando se acentuou a divisão entre o espiritual e o material, o material, o terrestre, foi rejeitado como inferior. A vida foi rejeitada, o senso da vida foi rejeitado. O Buda queria fugir do Universo e os cristãos fizeram dessa figura o diabo: como se a vida fosse diabólica! Como se a obra divina fosse um fracasso!

A Coroa é apenas uma sofisticação dos chifres e significa a comunicação, pelo topo da cabeça, com o Céu, o Divino, o Infinito. A comunicação do Céu e da Terra. Plutão.

Quando imaginamos chifres no topo da nossa cabeça, podemos sentir acima da nossa cabeça. Podemos sentir, acima da nossa cabeça, o céu. Podemos sentir o Infinito. Podemos sentir o Infinito da nossa consciência. Tornamos-nos consciente da nossa totalidade, espiritual, astral e material. Somos presentes no mundo real, na sua plenitude e seu esplendor.

A Coroa era feita para lembrar ao rei da sua dimensão infinita, e que para governar no plano material sem se deixar hipnotizar pelas aparências, ele devia receber inspiração e poder do seu Eu Superior. Poucos reis foram Rei. Mas sempre existiram xamãs, pessoas autenticas, capazes de curar o corpo, a alma, o destino.

Viagem Interior:

O Xamã.

Deixe sua imaginação viajar no Tempo.
Deixe sua imaginação sonhar,
entrar no túnel do Tempo.
Caminhando... caminhando para chegar nessa caverna,
nesse templo da pré-história.

As tochas estão iluminando um pouco as paredes da caverna.
Você pega a pele de animal, veste a pele de cervo.
Coloca na sua cabeça os chifres de cervo,
entra em comunhão com o mundo animal, sem deixar de ser você.
Entra em comunhão com o mundo dos cervos.
Assim, em estado de graça, em estado de graça de cervo,
você está saindo da caverna.
Chegando na mata, em total comunhão com a Natureza,
com o céu, com o céu em você
com a terra, com a terra em você.
Trabalhando para a tribo, em total comunhão com a Natureza.
No ar, respirando o cheiro do inverno que se aproxima.
Percebendo... percebendo o sabor do inverno e como o inverno será.

Você focaliza sua atenção para a manada dos cervos.
Onde está, onde está a manada dos cervos?
Sentindo... percebendo no ar onde ela se esconde.
Você diz à tribo onde a manada se esconde.

Uma mulher com um filho doente se aproxima de você.
Com a sensibilidade do cervo, você sente a doença, a doença na criança, sente o que é. Focalizando sua consciência para a Natureza,
para essa vida ao redor de você.
Inspirando o ar da mata,
inspirando o ar da vida e soprando sobre a criança.
Soprando seu alento sobre a criança, para que ela possa viver.
Inspirando o cheiro da mata, o cheiro das árvores e,
com a sua mão direita, transmitindo a Energia da mata para a criança.
Falando com a mãe.
Dizendo à mãe que ela deve dar um presente aos espíritos da mata.
A criança já está sorrindo.
Mas a mulher deve dar um presente aos espíritos da mata, das árvores.
E você começa a cantar.
Cantar para os espíritos das árvores, da mata.
Começa a cantar para o cervo, para o cervo que os caçadores vão matar.
Cantando para pedir licença, pedir licença.
Cantando... cantando para o cervo que vai morrer,
para a tribo sobreviver.
Cantando para o vento, para o mar.
Cantando para o fogo, para a água do lago.
Cantando para a terra. E você dança.
Você dança a dança da terra.
Dança a dança da água.
Dança a dança dos pássaros.
Olhando a fogueira. Inclinando-se em frente das chamas.
Cantando para as chamas.
Dançando a dança das chamas.
Dançando as chamas.
Em comunhão. Em total comunhão com as chamas,
entra na fogueira e dança.
Dança a felicidade.
Dança a beleza do mundo.
Dança o amor.
E canta uma boa caça.

Mas vem uma pessoa muito doente.
Você entra no mundo interior dela, entra nela.
Viaja no mundo interior dela.
É perigoso.
Tem ribanceiras, abismos.
Grandes aves de rapina, monstros.
Mas você chama seu Animal de Poder, seu aliado.
E você destrói os monstros no mundo interior da pessoa.
Você destrói os espíritos ruins. Morde, arranha.
Você se faz fogo, queima-os.

E você volta, volta a ser você.
Dançando... dançando a saúde.
A pessoa se sente melhor.
Você sabe que daqui a uma Lua ela estará totalmente curada.
Você tira os chifres da sua cabeça.
Troca a pele de cervo para sua roupa quotidiana
e você vive sua vida quotidiana.
Na mata, os caçadores estão voltando.
Amanhã você irá caçar com eles.
 Quando vem a noite, você entra na catedral subterrânea.
Na caverna, no templo da Terra.
E o cantar dos pássaros entra com você nas profundezas da Terra,
e a mata, o vento entram com você.
As manadas de cervos, a cachoeira e a beleza da Natureza entram com você na caverna,
nas profundezas da Terra.
A dança entra com você.
Sim, o cantar dos pássaros canta nas profundezas da Terra com você.
Você traz o cantar dos pássaros para as profundezas da Terra.
Oferece o cantar dos pássaros até as profundezas da Terra.

Focaliza sua consciência para o Templo do Sol.
Para o você de agora no Templo do Sol.
Você é você de agora, mas você se lembra.
Você se lembra.
 

Comentário

O Ponto Quinze representa Plutão. Até hoje, em muitos lugares, os xamãs usam chifres, para entrar em estado de graça, em comunhão com o Divino ao redor de nós, o Divino na Natureza. Ou eles usam um cocar, penas de águia. O céu na cabeça. Os pés na terra.

Quando O Ponto Quinze aparece, você sabe: aqui tem uma canção de poder. Aqui tem uma cura.

  A Viagem Interior Planetária

D.K Saudo a Todos os Grandes Seres da Hierarquia de Escorpião do Planeta Plutão.

Plutão é muito mal compreendido. O planeta está tão longe do Sol, que um telescópio não basta para enxergá-lo; além do telescópio, é necessária uma chapa fotográfica. Se estivéssemos na superfície de Plutão, perceberíamos o Sol como uma pequena estrela, de quarta grandeza. As qualidades plutônias são as mais altas do supraconsciente: atuam de maneira inconsciente, cega, destrutiva e a fama de Plutão é assim bastante negativa. Com justa razão, quando atua, cegamente, nas trevas das trevas do inconsciente. A cor de Plutão é precisamente essa: trevas. Plutão é da cor de quem age nas trevas, por traição, com perversão, sadismo, crueldade. Mas, quando tomamos consciência dEle, a Realidade é bem diferente. Ele está mais longe do que Netuno. Netuno é o planeta da espiritualidade. Plutão está além da espiritualidade.

O segredo de Plutão está escondido em um jogo de criança, o jogo da amarelinha: a Terra, uma escada de giz e o Céu. Trata-se de pular da Terra até o Céu. Não é para ficar no Céu. É para voltar para a Terra.

Pela espiritualidade, podemos nos libertar da ilusão das limitações materiais, ultrapassar nossos condicionamentos emocionais e atingir um alto nível de consciência. Receber inspiração, materializar essa inspiração, para viver, nós e as pessoas ao redor de nós, um Paraíso terrestre de vida, como deve ser. Fazendo isso, vamos, de novo, nos hipnotizar em deveres, obrigações, preocupações, mas pouco importa, porque, de novo, vamos jogar o jogo da amarelinha, o grande jogo da Alquimia, da transformação. O propósito da Alquimia sempre foi espiritualizar a matéria e materializar o espírito.

Plutão é o planeta mais distante do Sol: o mais alto, o mais celeste. A tradição revela que Ele rege os subterrâneos, os subterrâneos do subconsciente, tanto como da matéria. Na Realidade, Plutão rege a polaridade. A polaridade Céu/Terra, espírito/matéria, Divindade/Universo. Entre esses dois pólos está fluindo a Energia que, em todo momento, cria o Universo.

A Energia pode fluir, existir apenas entre dois pólos. A Divindade cria o Universo, o Universo inspira a Divindade, que faz evoluir o Universo, que inspira a Divindade, que faz evoluir o Universo. As pessoas criativas conhecem muito bem o processo. A Divindade está jogando o jogo da amarelinha, nas dimensões do Universo.   A polaridade cósmica, a sexualidade cósmica. A sexualidade é uma função divina que permeia o Universo inteiro: físico, energético, emocional, intelectual, intuitivo e mais. O Poder de vida dentro de nós.
O Poder da inteligência: pensamos com a Energia cósmica. Depois de um excesso sexual torna-se difícil estudar um assunto complexo, pois é a mesma Energia. Essa Energia irradia de nós, irradia de nossas mãos. Usando nossa mão direita, a mão que escreve, a mão solar, a mão positiva, podemos fazer crescer uma planta, curar.

Quem busca, acha. Acha o que busca. Melhor não buscar o que mata. E quem busca a destruição encontra sua própria destruição. Compreenda quem deve compreender.

Vamos vivenciar a polaridade Céu/Terra, a transformação, a Alquimia, pois em Plutão se esconde o segredo da Alquimia.


Plutão

Deixe, deixe sua imaginação sonhar.
Deixe sua imaginação alçar vôo.
 


 
 
 
 

A Luz do Sol é um Templo.
Deixe a Luz do Sol iluminar você.
Entre nesse Templo feito de Luz.
Em plena clareza da sua consciência, lembre-se,
você é uma consciência sem forma, sem limite,
capaz de vestir qualquer forma.

E você veste um corpo de chuva.
Você é chuva, caindo do Céu,
se delíciando de cair do Céu, do Infinito,
em forma de chuva,
sentindo a chuva que você é cair do Infinito,
descer,
chuva caindo na terra,
espalhando-se nas partículas de terra,
dissolvendo partículas, sais minerais.
Fecundando a terra.

entrando nas raízes das ervas,
das plantas, das árvores,
subindo em forma de seiva através dos caminhos vegetais.
O Sol se levanta.
Você é a umidade da terra.
O calor do Sol volatiliza você em vapor sutil.
Com muita leveza, no calor do Sol,
esta subindo para o Céu,
carregando partículas infinitesimais de sais minerais,
e nas alturas se espalha, se dispersa,
torna-se uma imensa e sutil antena feita de partículas finas, hipersensíveis,
captando as influências sutis que vêm das estrelas,
do Infinito,
enriquecendo-se de informações,
de conhecimentos, de Poder,
recebendo inspiração do Universo inteiro,
caindo em chuva, essa chuva deliciosa.
Penetrando na terra.
Materializando-se.
Dissolvendo sais minerais,
entrando na raiz de uma árvore.
Seiva, você sobe no tronco,
se dispersa nos ramos,
se cristaliza em folhas novas.
E o Sol chama você através das folhas.
Em vapor sutil, você sai das folhas,
subindo para o Céu.
Subindo... descendo...
dissolvendo-se... cristalizando-se.
Através da imensidão dos tempos,
memorizando estruturas químicas, biológicas.
Depois de muitos e muitos ciclos, você se torna esperma humano.
Desenvolve-se em embrião,
nascendo... crescendo... esquecendo...
esquecendo os caminhos da química e da biologia
para percorrer novos caminhos:
você é você, no seu corpo humano.
A sua espinha dorsal é uma árvore.
Ao longo da árvore da sua vida está fluindo a Energia vital.
Você pode senti-la,
subindo das solas dos pés ao longo das pernas,
pela coluna vertebral até o topo da cabeça
e, do topo da cabeça, pelo meridiano frontal,
descendo até o púbis,
dividindo-se nas pernas até as solas dos pés.
 

Comentário

Atrás disso se escondem segredos tão poderosos que os alquimistas nunca falaram. Alguns fragmentos quebrados desses conhecimentos podem se adivinhar nos livros deles, misturados com toda uma poeira de tolices e de pistas falsas. Porém, em um mundo telepático, nada pode ser escondido. É aí que vive o esoterismo vivo. Quem busca acha o que busca. Um profundo sentimento de respeito é imprescindível. Quem buscar sem respeito não será respeitado pelo Universo.
 

ANTERIOR - CONTEÚDO - PRÓXIMO




O texto original é encontrado com toda a nossa gratidão em:
Descubra seu Lado Infinito