Estando Nu na Unidade

 

Ser – Sendo

 

To Be – Being  e Self

 

Muitos de nós apresentamos uma certa dificuldade ao tentarmos entender o verdadeiro significado dessas palavras acima no que concerne a espiritualidade.

O porque da língua inglesa ter sido escolhida como sendo a língua oficial das mensagens espirituais e também das relações internacionais entre os países e os povos, certamente não é por questões de supremacia patriótica. Pois estas coisas fogem aos objetivos do plano espiritual da existência.

A grande dificuldade manifestada por nós quando experimentamos as circunstâncias que a vida nos apresenta jaz no fato de que além de entendermos equivocadamente todas essas coisas de sua constituição, acharmos que realmente há coisas que possam existir separada e/ou isoladamente das outras.

O que não passa de um GRANDE EQUIVOCO.

Para evitar qualquer engano, equivoco ou desvirtuação, temos que compreender que há fenômenos que ao serem simplesmente ditos sem maiores esclarecimentos, geram indubitavelmente confusões quanto ao  seu entendimento.

O uno é constituído de movimentação constante que nós denominamos ‘ação’. 

E que é ao mesmo tempo simultâneo e alternado.

Isso em nenhum momento quer dizer que as forças que o compreendem agem de maneira separada ou isolada. Ou seja, quando uma está à frente de uma determinada situação, a outra está participando dessa mesma ação ‘passivamente’ independente dessa força ser a ativa ou a passiva.

Isto é a totalidade do SER que em inglês é denominado “SELF”: a pessoa inteira de um indivíduo.

E isso é uma constante.

Mas quando em movimento o self passa a ser inconstante para que haja o que também em inglês chamamos de “BEING”: tendo a qualidade ou estado de existência; algo concebível como existindo, algo que realmente existe, a totalidade das coisas existentes, a existência consciente: VIDA; as qualidades que constituem uma coisa existente: ESSÊNCIA. Essa palavra nesse caso é um substantivo, mas que, porém vem do verbo ‘to be’ conjugado no tempo verbal chamado de presente contínuo.

Em português não há equivalente, mas sim uma aproximação; que no caso é o nosso gerúndio, que é uma das formas nominais do verbo, formada pelo sufixo – ndo.

Digo isso desta forma porque há uma regra de uso do presente contínuo para duas situações mais proeminentes.

Quando falamos, nos encontramos em um ponto chamado presente na linha do tempo em uma comunicação. Se a ação está ocorrendo no exato momento da fala, utilizamos esse tempo verbal.

Ex: ‘I´m working (now).’ Estou trabalhando (agora).  É uma ação que está sendo exercida no momento da fala.

Mas há situações em que no momento da fala a ação não está sendo exercida, porém está em exercício.

Ex: ‘I’m reading a book on religion.’ Estou lendo um livro sobre religião. E é isto o que ocorre com o SER (Self) quando está encarnado; ele é o que é, mas está sendo (Being) uma coisa que ele não é, mas que independente disso EXISTE.

O SER é constante, imutável, indestrutível, não–nascido e imortal. Porém o ‘sendo’ é inconstante, mutável, destrutível, nascido e mortal.

E isso é que é a totalidade do ser em ação simultânea e alternada.

Ou seja, eu estou Romeo, porém não sou Romeo. Pois Eu Sou Nada. E Nada é o Amor incondicional do todo, o uno mais puro e manifesto constantemente no agora; sempre.

E é por isso que Ser Humano em inglês é ‘Human Being’(Sendo Humano). Pois na verdade não somos humanos, somos nada. Só assim é que se consegue ser o que for necessário ao momento do exercício de determinada ação manifestada com o intuito de não só manter o equilíbrio do que já é, o que é constante, como permitir o advento da creação contínua, o que é inconstante. Apesar de sua continuidade dar a impressão de constância.

Isto porque mesmo que a inconstância esteja à frente, ela não pode agir em sua plenitude sem a presença passiva da constância. E é nesse momento que entra o grau de intensidade da ação de uma força.

E isso é o que denominamos polaridade.

Um ponto proporcionalmente inverso a outro.

Mas, unos, iguais.

Por exemplo, temos o frio e o quente. Ambos são uma e uma mesma coisa: temperatura. Só que a intensidade, o grau de uma é o proporcionalmente inverso da outra.

Essa inversão proporcional é a inconstância. Enquanto que ambas ao serem temperatura, é a constância.

A temperatura é a força em movimento, enquanto que o grau, quente ou frio, a dupla natureza dessa mesma força, a qualidade.

E isso é apenas uma das diversidades do todo, do uno, é o seu ponto de equilíbrio. Como fazer isso? É simples.

Enquanto SER, você é atemporalidade. 

Enquanto sendo, você é temporalidade.

Pois o ser é eterno e o sendo efêmero.

A única maneira de conseguir isto é ficando,

nu (sem apegos, despir-se da idéia que o que você está sendo é uma constante, é eterno, e de TUDO ligado a isso),

pobre (soltar-se dos ditos ‘valores’ que achas precisar para que o sendo seja eterno, principalmente o dos sentidos e os sentimentos desenvolvidos e ligados a eles),

e cego (não mais pensar nem acreditar que o que você acha estar enxergando ou vendo é real, existe de verdade.

Pois como dizem: ‘O homem é aquilo que ele pensa, ver, pensar e sentir. Independente de ser REALIDADE OU NÃO.’) O AYAM, constância, é também MAYA, inconstância. Se não jamais chegará a ser ou será o EU SOU.

Porque o espaço em branco? Adivinharam? Não? Experimenta deixar o EU SOU sem o seu complemento que é o EU ESTOU(o sendo) e terão este estado de morte que é o que ‘nós’ chamamos de ‘vida’.

MAYA não é nenhum demônio nem bicho de sete cabeças como tentaram incutir em nossas cabeças, em nossa idéia.

A palavra idéia vem do grego e quer dizer literalmente ver, ser sagaz. E seu significado verdadeiro é: uma entidade (constância) transcendente (inconstância) que é um padrão real (constância) das quais as coisas existentes são representações imperfeitas (inconstância).

E sendo assim, até quando pretendem deixar TODO esse lixo mental ficar obstruindo o seu espaço mental trazendo sofrimento, dúvidas, incertezas, medo, paralisações, doenças, separatividade, ódio, egoísmo, ganância, violência e mais um sem número de atrocidades que ‘fazem parte’ de seu dia-a-dia?

E a transcendência do AYAM é MAYA.

É compreendendo as polaridades em forma de opostos que se sabe o que é a totalidade do UNO.

De outra forma será apenas ilusão.

Quando falamos ou pensamos ‘EU SOU’, automaticamente ativamos o ‘EU ESTOU’.

Se não for assim, jamais haverá movimento.

O UNO só é quando o EU SOU (padrão real, constância, atividade, poder) é também EU ESTOU (representação imperfeita, idéia, inconstância, passividade, harmonia). Compreendendo isso, entendemos o Relógio Cósmico em sua plenitude:

 

Hora 12:

EU SOU: Poder; Saturno (controle, Idade do Ouro, Riqueza, o saber administrar a semente que foi plantada), regido por O Grande Diretor Divino e os Sete Arcanjos; que é:

 

Hora 1:

Nada: Amor; Urano (ar, vento, personificação de Deus, dos céus, mente, memória), regido por Saint Germain e as Ordens Angélicas; que proporciona:

 

Hora 2:

Cristo: Mestria; Netuno (espiritualidade, sonhos, fraternidade, capacidade para manipular a energia do que é levando-nos a creação perfeita, O EU SOU, a fluidez da energia representada pela água), regido por Jesus e a Grande Ordem dos Mestres Ascensos: que concede:

 

Hora 3:

Consciência Crística: Controle; Marte (a luta para manter o equilíbrio do que é sem distorcê-lo pela manifestação da ilusão e da separatividade, o pseudo-movimento do ego; o Poder do nosso Eu Perfeito, nosso Cristo Pessoal, o plantar a semente, o saber manter-se no lugar{KA}), regido por Hélios e o Grande Magneto do Sol Central: que faz compreender:

 

Hora 4:

A Roda do Dharma em Movimento: Obediência; Vênus (a produtividade, o amor e a beleza, A LEI e sua compreensão, que é o caminho para obter o Nirvana), regido por Deus Obediência e os Sete Grandes Elohim: que manifesta:

 

Hora 5:

Domínio: Sabedoria; Mercúrio (o ser e o não-ser, a compreensão das mensagens dadas e recebidas, o casamento alquímico, o ponto de equilíbrio dos opostos, o sucesso nas atividades econômicas), regido por El Morya e as Legiôes de Mercúrio: que celebra:

 

Hora 6:

Alegria: Harmonia; A Lua (a fertilidade e a concepção de tudo que é de maneira diversa e variada, o complemento de cada Eu Perfeito, a geração, MAYA em sua acepção mais perfeita, o princípio da realização do sonho, a precipitação, a chuva limpando e fertilizando o campo do SER), regido por Serapis Bey e os Grandes Serafim e Querubim: que concebe:

 

Hora 7:

Liberdade: Gratidão; O Sol (a Luz, a Felicidade plena, o porque de toda a existência, o complemento do Amor representado por  Portia, a razão da escuridão e da luz, o saber estar em estado de graça), regido por Deusa da Liberdade e os Senhores do Carma: que gera:

 

Hora 8:

A Mãe Terra: Justiça; Mercúrio (o fazer valer o direito de cada um, o fluxo equilibrado da dupla natureza de uma força, o feminino e o masculino em equilíbrio, a bondade, a equidade, o Paraíso, O CAMINHO), regido por Lord Lanto e os Senhores da Sabedoria: que fundamenta:

 

Hora 9:

A Creação: Realidade; Vênus (o EU SOU manifesto no que é na forma do EU ESTOU, o Lugar, o Ponto Central, o eixo, o princípio e fim de tudo que há, a eternidade, o indivisível, o UNO), regido por Poderoso Vitória e os Senhores da Individualidade: que realiza:

 

Hora

10: Consciência Vigilante: Visão; Plutão (o mundo subterrâneo, o seio e o âmago da terra com todas as riquezas que ela pode oferecer, a divindade dessas riquezas, o distribuidor das riquezas, o tempo cronológico manifesto no filho, a sagacidade, o invisível, a materialização e a desmaterialização, a forma), regido por Poderoso Cyclopea e os Senhores da Forma: que visualiza a verdadeira:

 

Hora 11:

Perfeição: Vitória; Júpiter (a luz, o céu, as condições meteorológicas, as estações, as finanças, o trabalho concluído, o principal, O PRINCIPIO, o ciclo completo) regido por Lord Maitreya e os Senhores da Mente.

Viagem Interior  Pager Viagem Interior  Pager

  



                                                             Com todo Amor,

                                                                                                        R.M.
                                                                                                        Iniciado DK

Voltar ao Índice