chama violeta  Pager



Wu Chi Ponto Diamêtro
Wu Chi Ponto Diamêtro

1 . A linha reta dentro do Círculo, representa a Unidade; o Ângulo de duas Linhas distintas, que partem de um Único ponto, se afastam e divergem, representa a Dualidade. Dessa maneira, vemos que a Dualidade tem sua origem na Unidade.

O ponto central em que se juntam as duas linhas, é o mundo sétimo ou da Realidade; entretanto, as duas linhas atravessam outros seis mundos inferiores, chamados da manifestação ou aparência da Realidade; são a substância da Essência, a forma do ser e a matéria em contraposição ao Espírito.

2. Desde o momento em que a Unidade se bifurca em dois, converte-se em criação; mas, a Consciência da Unidade, que é‚ a Alma do mundo, se manifesta na Dualidade que desce do sétimo céu.

Pela Dualidade, formam-se: Céu e Terra; o bem e o mal; a luz e a sombra; o espírito e a matéria,- o Jakin e o Bohaz-, o Yang e o Yin; o sol e a lua; a expansão e a reunião; a necessidade e a liberdade: o Pai e a Mãe; Adão e Eva, etc., etc...

3. No mesmo corpo se manifesta a Dualidade em todo o organismo, porém essa Dualidade se concilia no centro cerebral, nariz, língua, umbigo e falo.

A Divindade Una tem duas condições como base de sua manifestação: o Universo e o Homem.

A Unidade da dualidade, no cérebro do homem, é o princípio da criação; a Unidade da Dualidade na base inferior da medula ou no Yod cabalístico, é a volta à Divindade.

4. Desde o momento em que o Eu Sou ajunta em seu redor seus veículos de matéria, obscurece sua consciência em seu próprio plano, porém, a comunica a seus veículos.

O plano físico é o inferior, no qual se encarna o ser humano em corpo material.

O segundo é o do desejo inferior; é o corpo dos instintos e paixões; é o corpo da atração ou do apossamento.

O terceiro é o da emoção ou do desejo superior que se caracteriza pelo desejo da união.

O quarto é o mental inferior; ‚ o da memória que dá  fixidez aos demais superiores.

O quinto é o mental superior; é a residência das qualidades.

O sexto é o plano espiritual; é o da tendência.

O sétimo e último ‚é o plano da Unidade com o Intimo; nele não há  diferenciação: Tudo é Um e Um é Tudo.

Assim, está  o homem composto de sete aspectos distintos em seu ser e cada qual possui os  átomos de cada aspecto que nele habitam.

5. O Eu Sou emana do sétimo plano da Unidade, ou cabeça, á maneira de eletricidade, a força vital em forma dual: projetara e passiva ou receptara; masculina e feminina.

Porém, se esses dois pólos em parte alguma se encontram, perdem-se no espaço e, para limitar ou utilizar suas forças, cumpre uni-las em circuito.

A União dos Pólos ‚ o mistério da Criação. Enquanto separados, significam emanações do íntimo, porém emanações inúteis, porque se perdem no espaço infinito; mas, quando se unem, desenvolvem uma criação que toma o caminho de volta à Unidade Superior.

6. O homem ‚é o pólo positivo da Força Vital que está fluindo do Eu Sou; mas, essa força, em vez de perder-se no espaço infinito, depois de realizar sua obra em corpo masculino, tende a unir-se a um ser feminino para produzir o circuito e, por ele regressar à Divindade. No ponto de União pode o Iniciado apoderar-se dessa força e empregá-la em todos os sete planos anteriormente enumerados.

7. Dissemos que o sétimo plano ‚é a Unidade do Todo; mas, do sétimo para baixo, começam as polaridades ou sexualidade, de onde tem de fluir até‚ chegar ao físico e, então, converte-se o homem num canal de Força Vital masculina positiva, e a mulher em canal passivo, negativo feminino.

Deduz-se disso que o ser humano, em principio, é assexual ou andrógino; assim foi no principio e assim há  de ser no fim.

8. Entretanto, ambas as forças do Eu Sou são manifestações

divinas, no homem e na mulher, e têm de unir-se, nos mundos da matéria, para a criação, para o retorno a Unidade. Porém, essa união dos dois pólos tem de realizar-se, forçosamente, nos seis planos para que produzam a Unidade no sétimo.

9. A Energia Vital ou Criadora deve descer até‚ o físico.

O Iniciado ou Adepto tem por objetivo detê-la na base da medula espinhal para reenviá-la ao sexto mundo e não derremá-la na terra, pois que, se isto se der, não poder seguir a senda interna.

Ninguém deve supor que ao Adepto cumpra ser celibatário ou jamais ter mulher, por companheira ou esposa. Não. O Adepto emprega a Força Criadora segundo as leis divinas e sua união sexual é para ele, um Sacramento ou Sacrifício.

Mas, o Adepto é também, conhecedor das leis divinas nele contidas; pode ser célibe e utilizar as duas polaridades que descem da cabeça, uni-las na base da medula; onde forma o circuito do fogo serpentino e o eleva por meio da aspiração, respiração e meditação à Unidade.

Então, os dois meios, casamento ou celibato, têm pôr objetivo unir as duas polaridades emanantes da Unidade para que pela União possa à Unidade retornar.

10. Quando a Energia Criadora desce, como positiva, pelo lado direito da  medula espinhal e passiva pelo lado esquerdo, ambas as polaridades têm de unir-se na base da espinha dorsal e seguir o rumo de volta para cima até‚ chegar ao sexto plano. Isso está  representado no símbolo do Caduceu.

Se essa Energia se derramar no ponto de união inferior, volverá à terra e arrastar  o homem à animalidade.

11 . A Força Vital irradia do Eu Sou e, portanto, é divina em sua, substância expressada pelos vários corpos do homem, constituídos pelos  átomos nos diferentes planos; mas, todavia, a natureza dessa Força é muito distinta em cada plano, embora seja una em toda a sua manifestação. Podemos tomar, para exemplo, o fogo, ao mesmo tempo fumaça, calor e luz. Assim também‚é o fogo divino na força vital: fumaça no baixo ventre, isto é instinto animal; calor ou desejo no peito e Luz no cérebro, de modo que está  condicionada pela natureza do plano em que opera.

12. Essa Força Vital ‚ a Causa de tudo o que existe e preserva toda forma viva de desintegração, até que alcance a evolução; ao mesmo tempo, cria. Na primeira fase é o Pai-Mãe, positivo e negativo; na segunda, é o Filho; para a vida é una; para a criação é dual. Já  dissemos que, no homem, essa Energia desce, como positiva, pelo lado direito da medula, como passiva, pelo lado esquerdo. Porém, na natureza externa, o homem representa o lado positivo, que se manifesta derramando-se, e a mulher representa o lado passivo, que espera o estímulo. No físico, o homem estimula a mulher; porém, no anímico, é a mulher que estimula o homem, porque, se o homem tem corpo físico positivo, seu corpo de desejo é passivo, ao passo que a mulher é o inverso do homem; seu físico ‚ passivo, mas seu corpo de desejos ‚ positivo.

13. Quando os dois forem um e já  não houver masculino nem feminino, virá "o Reino de Deus". dizem as escrituras.

14. O homem e a mulher, como pessoas, têm sexo definido; porém, como deuses, têm, cada qual, em si, ambos os aspectos.

O Iniciado deve desenvolver, em seu corpo, ambos os pólos para converter-se em Unidade ou unir-se a uma mulher para obter o mesmo fim. Contudo, existem seres que unem os dois métodos para chegar ao mesmo objetivo.

A humanidade pode determinar o sexo do indivíduo no mundo físico; mas a Força Vital é a que o determina nos mundos internos; por isso, vêem-se homens amulherados e mulheres viragos.

15. A sagrada Energia Criadora obedece, como todas as coisas, ao pensamento do homem. O tipo altamente espiritual trata sempre de espiritualizar a matéria e seus pensamentos buscam a união de todas as coisas. A Energia de tal Ser não pode estancar muito tempo no mundo físico e volve a seu mundo mental superior e espiritual, ao passo que o ser de tendência material arrasta, pelo pensamento, a Energia Vital para o mundo físico. Pode criar neste mundo porém à feição dos animais.

16. "E os dois serão Um". disse Jesus falando do matrimônio. Até hoje, raríssimas vezes, nos tem sido dado ver o matrimônio de que fala o Nazareno.

Todas as uniões atuais são formadas no mundo do desejo e do físico; raros são os que chegam ao mental e mais raros ainda os espirituais.

A verdadeira união do homem e da mulher deve chegar até‚ o sexto plano, senão, nunca serão um só corpo. As uniões atuais, olhadas pelo prisma espiritual, são concubinatos voluntários ou impostos. Quando a união dos dois seres não chega a todos e a cada um dos corpos internos, é uma união animal e apenas pode abranger os três corpos inferiores. O amor terno e profundo que começa do mental superior para cima, carece do conceito da união sexual, e quando um matrimônio não atinge a união mental é um matrimônio desgraçado porque foi elaborado no desejo animal ou no interesse pessoal.

17. Quando dois seres de sexo oposto encontram a união mental e conseguem ambos resistir à pressão da Energia Criadora no físico, essa Energia forma, no mundo físico, um circuito e volta ao Divino levando com ela a mente dos dois seres.

18. Já  se disse que o corpo tem sete plexos, dispostos em diferentes lugares do corpo e que certos temperamentos são mais projetores que atrativos, ao passo que em outros, ocorre o inverso; mas, o que haja alcançado o equilíbrio completo será  um Deus.

Observamos que raro é o indiv¡duo que chega a semelhante estado, salvo alguns gênios e, ainda esses, só num tempo determinado de sua existência.

O objetivo da união das duas polaridades do corpo é a divinização do homem e esse método seguem-no somente uns poucos iniciados; porém a união casta do homem e da mulher conduz ao mesmo fim.

Também vimos que a Verdadeira União do homem e da mulher deve atingir os sete plexos ou mundos como anteriormente lhes chamamos; porque, realmente, cada plexo é um mundo em si mesmo e, se a união não se produzir nos sete, é união imperfeita porque é incompleta.

19. A união de dois seres de diferentes sexos deve alcançar todos os sete plexos, porque as polaridades dos plexos masculinos são diferentes das do feminino e, ao unir-se, produzem equilíbrio. Todavia, temos de distinguir entre união sexual e união de duas almas, com ou sem matrimônio, coisas muito diferentes.

20. Se se unem dois seres instintivos dos dois sexos, a união será  animal, como sucede nos bordéis, e o equilíbrio traduz-se na satisfação de um instinto que reside no plexo prostático, positivo no homem, e atrativo no seu correspondente, o útero na mulher. Neste plano, unem-se os opostos Pela diferença corporal e vibratória que há  entre os dois. Este plexo exerce sua Influência no olfato e na sexualidade. Esta união permanece apnas durante o ato.

21. Quando dois sensitivos despertam ou desenvolvem paixão Similar, o semelhante atrai o semelhante, o homem e a mulher não vão diretamente ao ato; ele tem de conhecê-la primeiro e esse conhecimento dura enquanto se mantenha o desejo. Messa união trabalham somente os plexos inferiores prostático e sacro; este último exerce sua influência no estado psíquico do homem e desperta nele a clarividência.

22. A união no terceiro plano pertence ao plexo Inferior umbilical e depende da simpatia emocional e das idéias concretas, porque este  plexo é o centro da emotividade; é também dissemelhante no homem e na mulher. Esses seres permanecem unidos enquanto dure a necessidade. O plexo umbilical atua no ouvido e na voz e outorga a clariaudiência.

23. A quarta etapa da união pertence ao coração ou ao plexo cardíaco que influi na vista. Outra vez aqui se atraem os semelhantes e ambos os seres sentem, na união, grande contentamento e satisfação mútua; porque a simpatia os une pelo mesmo interesse e tal união pode durar até‚ a morte.

24. Da quinta etapa em diante,podem os seres ter união sexual embora jamais a busquem; a união será  puramente intelectual. Os dois seres serão dissemelhantes em seus plexos faringeos, porém serão ambos bons companheiros mau grado sua diversidade de opiniões em vários modos de ver. Tais seres podem reencontrar-se em muitas vidas.

25. O sexto plano da união pertence ao plexo frontal. A união será  puramente espiritual porque ambos tendem ao mesmo ideal e, por conseqüência, suas polaridades serão semelhantes e se atraem. Esse plexo influi no tato. Só se unem neste mundo aqueles que pertencem a um mesmo raio espiritual.

26. No Sétimo, os dois serão um e já  Não há  nem masculino nem feminino; nem positivo, nem atrativo. Ambos serão andróginos e neutros, isto é, possuirão os dois elementos em equilíbrio.

27. Do exposto se depreende que o sagrado mistério da união sexual tem por objetivo o equilíbrio entre os dois seres para que ambos, ao se sentirem um, aprendam o mistério da união e a volta para a Divindade. Para chegar a esse grau de perfeição, deve-se buscar o matrimonio perfeito ou a união perfeita.

28. A união perfeita deve abranger as sete fases ou os sete plexos, ou mundos.

Na união física deve haver desejo mútuo.

O amor une os desejos.

A união dos desejos conduz os cônjuges a adquirir conhecimento um do outro.

0 conhecimento mútuo torna-os amigos.

A amizade no mundo intelectual outorga-lhes espiritualidade ou crença espiritual similar.

A espiritualidade similar, em dois seres do sexo oposto, abre a porta para a Unidade que é equilíbrio.

29. Antes da vinda de Cristo as religiões proibiam o matrimônio entre seres de diferentes castas ou religiões, porque compreendiam que tais seres jamais podem chegar união completa visto a diferença de costumes, crenças e religiões; porém, depois da vinda de Cristo que estabeleceu a Fraternidade Universal, esses matrimônios já são freqüentes e até‚ necessários.

30. Os antigos deixaram-nos vários símbolos gráficos e escritos sobre a dualidade: Miguel e Satanás; a luta de Jacob com o anjo; os dois querubins na Arca; Caim e Abel; a Arvore da ciência do bem e do mal, etc.

Esses símbolos estão no corpo humano e sujeitos à dupla lei.

31. Vemos, em primeiro, lugar, que os plexos são condutores dessa energia. Quando ela chega a certo ponto de abundância, produz uma pressão que traz consigo movimento.

Cada plexo pertence a uma das duas polaridades magnéticas: uns são positivos, projetores, e outros negativos, atrativos. Quando se unem dois seres de sexos diferentes, o fluido projetor do primeiro irá  aos plexos atrativos do segundo e vice-versa.

Quando os projetores realizam maior movimento, o ser, por meio do pensamento, pode dominar, do plano físico, outros seres que habitam nos outros planos e deles servir-se.

Quando o fluido atrativo é maior pode o homem receber sabedoria de mais além.

O Iniciado deve desenvolver em si as duas polaridades para aprender e projetar seu saber sobre os demais.

32. Esse desenvolvimento pode efetuar-se de dois modos:

l- pelo método Yoga e obediência ao sermão da Montanha;

2- pelo matrimônio perfeito.

O primeiro método foi desenvolvido anteriormente e o segundo tem de ser praticado com base na pureza. Nem todos os temperamentos podem seguir um só método; porém, não é difícil unir os dois e chegar ao mesmo fim.

33. Para alcançar a fortuna material (riqueza, glória, fama, amores, etc. etc ... ) cumpre desenvolver os plexos atrativos que são o prostático, o sacro e o coronário ou Pineal; porém se, no homem, domina a natureza inferior,o desenvolvimento desses plexos faz dele um banqueiro neurótico ou um extorquidor; atrai a idéia, porém nunca a projeta em benefício dos demais.

Ao contrário, se ‚ verdadeiro espiritualista, em vez de atrair dinheiro, recebe formidável poder psíquico e, como os outros plexos estão nele desenvolvidos, projeta sentimentos e pensamentos que são capazes de evolucionar o mundo.

34. Quando um homem desenvolve os plexos, põe-se em relação com a atmosfera dos elementais. Estes o ajudam e lhe ensinam seus mundos, tornam-no mais atrativo para o êxito material e, ao mesmo tempo, potente projetor espiritual. Por meio deles, leva a cabo grandes obras, ensinam-lhe descobertas e inventos destinados a maior felicidade da humanidade; porém, os que são somente atrativos e cujos fins são o proveito pessoal,

ficam abandonados aos elementais inferiores.

35. Desenvolver um plexo‚ aumentar sua elasticidade. Os meios de aumentar essa elasticidade já  os indicamos:

  1. aspiração, respiração e meditação;
  2. magia sexual.

Ambos os métodos produzem o equilíbrio, conquanto seja o segundo mais violento e, portanto, mais perigoso.

Este é o mistério da serpente.

36. A magia sexual, ou a Unidade do Binário, homem e mulher, aviva os plexos atrativos nos seres inferiores e, portanto, o olfato, os órgãos sexuais, o paladar, o Êxtase e a atração; ao passo que a espiritualidade desenvolve os projetores. Tenha-se bem presente que falamos em magia sexual e não em libertinagem sexual.

Com a castidade, na união do Binário, o homem ou a mulher é muito mais poderoso, porque aumenta ou expande a elasticidade de todos os seus plexos e, nesse estado, será  servido pelos elementais.

37. A conjunção do homem com a mulher foi a primeira causa do desequilibro; todavia, o equilíbrio está e estará sempre nessa união.

Toda união sexual impura produz diminuição do equilíbrio nervoso; esse desequilibro passageiro é o que provoca as lutas e as guerras entre os indivíduos e entre as nações, porque esse desequilíbrio dota certas pessoas neuróticas de atração e, com ela, exercem sobre os demais suas influências e serão condutores e ditadores das nações. Esses seres estão influenciados pelos desequilíbrios dos demais; são a criação do desequilíbrio na unidade sexual.

Enquanto isso,o Iniciado aspira sempre a restabelecer, por meio do binário, o equilíbrio entre os homens e a luta será eterna e  árdua.

38. A chave da Dualidade que conduz à Unidade, no Reino do Interno, está  na mulher. Aqueles que duvidam dos seus conhecimentos nesse estudo, podem estudar e meditar a ladainha da Virgem Maria. A meditação deve ser mística; então pode o aspirante compreender o papel do elemento feminino no mundo e dentro de si mesmo.

Dr. Jorge Adoum

 

Volte a Homepage. Back