chama violeta  Pager

Plenilúnio de Sagitário


Quarta feira 28 de novembro de 2012 14:46hs pm T.U. (Tempo Universal GMT)

Calcualar o horário em menos 3. ( Tempo Brasilia )


 



Nota chave:  

"Eu vejo a meta. Alcanço essa meta e logo vejo outra"



O Festival de Lua Cheia de Sagitário se celebra em meditação e reflexão grupal por todo o planeta. Um maior entendimento do significado e emprego da energia disponível e qualificada pela natureza essencial de Sagitário torna possível a recepção e distribuição desta energia à consciência humana.

Em épocas passadas, Sagitário estava simbolizado pelo Centauro, o inseparável homem-animal. Na atualidade, a humanidade em evolução está simbolizada por um arqueiro montado sobre um cavalo branco: liberada e controlando a natureza animal. O arqueiro, a consciência humana liberada, indica o sentido de direção, a trajetória reta e precisa da flecha do poder mental e da aspiração na direção de uma meta superior. Isso fica ilustrado pela nota chave de Sagitário: “Eu vejo a meta. Alcanço essa meta e logo vejo outra”.

A energia que flui através da constelação de Sagitário até nosso sistema solar, até nosso planeta e ao centro da consciência que chamamos humanidade, estimula as qualidades humanas do idealismo e da intuição. Essas características inerentes, ou qualidades da alma, concernem à natureza subjetiva, ao estado de percepção consciente da cabeça e coração, luz e amor.

O idealismo concerne à visão: o poder de visualizar ou imaginar novas metas a alcançar. A sensibilidade aos ideais superiores inspira novas atitudes da mente e do coração, e abre para novas experiências. A humanidade é essencialmente idealista, havendo vivido por um largo período de 2000 anos da era Pisceana durante a qual as energias do idealismo e da devoção desempenharam um papel sumamente influente. O idealismo nem foi descartado nem ficou adormecido; porém à medida que avançamos em consciência sob as cambiantes energias da era de Aquário, os aspectos negativos e fanáticos do idealismo são transcendidos ou abandonados. À medida que o entendimento recoloca a devoção, os ideais aceitos refletem com maior exatidão as idéias subjacentes e inclusivas. Por trás de cada ideal se encontra uma idéia ou conceito mental, uma forma mental. Um ideal é a relação entre a idéia e sua expressão no plano físico. Diz-se que cada idéia verdadeira é um “impulso espiritual tomando forma”.

Da mesma maneira, o sentido de direção é uma força poderosa e disponível em Sagitário. Nesses tempos em que a humanidade parece estar à deriva, curvando-se facilmente diante de qualquer influência material que apareça, diante da realização de promessas e diante da instigação de temores profundamente arraigados, a energia desse período específico da lua cheia transmite, como dom do espírito, a captação de uma meta e propósitos significativos para a vida.

Nesse signo, as forças do conflito são sumamente poderosas. Cada vez que um ser humano fica sob a influência de Sagitário é com o objetivo de reorientar-se para algumas perspectivas novas e mais elevadas, com a tarefa de re-enfocar-se em um objetivo superior e no desenvolvimento de algum propósito básico e orientador. Esses propósitos em desenvolvimento podem ir desde um desejo puramente animal, passando pela egoísta missão humana, até a luta dos aspirantes a discípulo, ou dos iniciados por alcançar a necessária liberação até a totalidade do processo evolutivo que os impulsionou. Em Sagitário, esse intelecto que se tem desenvolvido, utilizado e finalmente iluminado se torna sensível a uma experiência de tipo mental, todavia mais elevada, à que damos o nome de percepção intuitiva. Surgem lampejos de luz a respeito dos problemas; contempla-se uma visão de longa distância e sem possíveis barreiras. O buscador começa a sair das profundezas e ver diante de si a experiência da montanha, que agora deve compreender. Caminhando não mais na obscuridade, mas contemplando o que deve fazer, os discípulos realizam um rápido progresso, viajam “plenos pelo caminho”.

Aprendem a compreender o significado da luz crescente que saúda seu progresso à medida que sobem até o topo da montanha. Os lampejos de intuição aos que estão se acostumando, convertem-se em resplandecente e constante luz da alma, irradiando a mente e proporcionando esse ponto de tensão que deve sempre constituir a fusão das duas luzes, a luz maior e a luz menor. A luz da personalidade e a luz da alma se mesclam, produzindo um servidor da humanidade, inteligente e cooperador. O principal objetivo é o emprego inteligente da todos os poderes para alcançar a obtenção de alguma meta. Para o servidor planetário, a meta é a expressão do amor-sabedoria sempre consagrado ao bem da totalidade. Desejar aquilo que é bom para toda a família humana demonstra ser a direção tão estimulada neste específico período de Lua Cheia.

Tudo quanto serve à necessidade da humanidade se converte em uma meta, revelando com o tempo uma perspectiva mais ampla: o iluminado e dedicado grupo de servidores mundiais. A respeito do futuro da humanidade, olhe-se por onde se olhe o estado atual do mundo, a sabedoria constitui uma necessidade fundamental. Só a inteligência, acompanhada de uma amorosa iluminação, ou sabedoria, pode conduzir a humanidade a um futuro mais razoável.

Em Sagitário a consciência avança firmemente para uma meta específica. Esse sentido de orientação e direção é característico do indivíduo iluminado ou sábio. A faculdade de direção, sensível nas primeiras etapas, converte-se em esforço para distinguir entre a atividade da alma e a da personalidade ao longo das diretrizes do Plano divino, “a direção ordenada do pensamento de Deus”. Não existe direção real separada do pensamento e pensamento é poder. O pensamento é também responsabilidade. As palavras “poder” e “responsabilidade” são, de fato, intercambiáveis. Com a percepção do poder chega a responsabilidade ao todo maior, que se reconheça ou não. Os aspirantes a uma compreensão maior devem assumir eventualmente a responsabilidade do controle e direção mentais de suas próprias vidas, de maneira que avancem de acordo com um plano auto-estabelecido e na direção de uma meta claramente visualizada.

Sagitário proporciona um ponto de equilíbrio no qual a visão se aprofunda conscientemente e a atividade significativa se expande. Na meditação se desenvolve o olho firme que percebe claramente os valores espirituais superiores, antes de disparar a flecha do poder mental com plena intenção em direção à meta que se quer alcançar. Esta é a qualidade que, à medida que se desenvolve, conduzirá a humanidade através do portal da iniciação.

Se percebermos, durante este Festival trabalhamos com uma energia clara, inspirada pela vontade, sobre um raio de luz dirigida e enfocada; uma luz absorvente e concentrada que a meta imediatamente seguinte que deve ser alcançada pela humanidade torna-se plenamente revelada. Essa meta é uma situação mundial de corretas relações entre os seres humanos e entre as nações; de cooperação e de compartilhar entre todos os povos, raças e ideologias, e de uma correta distribuição dos recursos mundiais pertencentes a toda humanidade. À medida que os extremos de qualquer tipo vão sendo eliminados e que a moderação e a razão se tornem descritivas da humanidade, a palavra “unidos” poderá começar a aproximar-se de seu verdadeiro significado na Assembléia Geral das Nações Unidas. <

Mantendo essa meta e visão na meditação junto com o grupo planetário, nos tornamos abertos e receptivos às energias predispostas de Sagitário, impregnadas pelo amor e sabedoria, pela harmonia e idealismo. Este propósito unido gera um campo de força magnético invocativo que, literalmente, dirige as energias de luz e amor diretamente à consciência da humanidade. Empregando a fórmula de energia da Grande Invocação na linha de direção da energia de Sagitário, estas energias se tornam acessíveis ao campo da consciência humana, influindo nas atitudes da mente e do coração de todo o planeta, inspirando sensibilidade aos valores espirituais.


Volte a Homepage. Back