"Vesala - sutta", quem é pária?

Os Nikaya, coletânea de sutta, ou seja, textos mais ou menos longos relatando os discursos do Buda, ou de discípulos diretos, pertencem ao cânone da literatura em pali. O Vesala Sutta foi um sermão feito pelo Buda em Shravasti, para um brâmane que, insultando - o enquanto ele fazia seu percurso diário para mendigar alimentos, o havia chamado de "sem casta", de pária (vesala).

                         

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                    O homem que é colérico e raivoso, que é

                              mau e hipócrita, que adotou falsas visões

                              e é embusteiro, que seja considerado um

                              pária. 

                              Aquele que neste mundo faz sofrer seres

                              vivos, sejam eles nascidos uma ou duas

                              vezes, aquele em que não há compaixão

                              pelos seres vivos - que seja considerado

                              pária.

 

Aquele que destrói ou faz sítio a aldeias e cidades, e se conduz como inimigo - que seja considerado um pária.

Seja na aldeia ou seja na floresta, aquele que pelo roubo se

apropria daquilo que pertence aos outros e que não é dado -

que seja consideerado um pária.

Aquele que tendo contraído uma dívida, trapaceia seu credor dizendo "eu não vos devo nada" - que seja considerado um pária.

Aquele que por cobiça por um objeto ataca um viajante para espoliá - lo - que seja considerado um pária.

O homem que em interesse próprio, de outrem, ou por riquezas, presta falso testemunho - que seja considerado um pária.      

                                                    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aquele que toma as mulheres de seus familiares ou de seus amigos, seja pela força ou com o consentimento delas – que seja considerado um pária.

Aquele que fere, por gesto ou palavras, sua mãe, seu pai, seu irmão, sua irmã ou seus sogros – que seja considerado um pária.

Aquele que, sendo consultado, dá maus conselhos e conspira secretamente – que seja considerado um pária.

Aquele que tendo cometido uma má ação espera que ninguém dela tenha conhecimento e faz o mal ao se esconder – que seja considerado um pária.

Aquele que tendo ido à casa de um outro, nela recebe alimentos e não retribui esta hospitalidade – que seja considerado um pária.

Aquele que por falsidade engana um brâmane ou um samana ou qualquer outro mendigo – que seja considerado um pária.

Aquele que lança palavras irritadas e nada dá a um brâmane ou a um samana que veio mendigar na hora da refeição – que seja considerado um pária.

Aquele que está mergulhado na ignorância, que não oferece a menor esmola, mas denigre as doações mais modestas – que seja considerado um pária.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aquele que se glorifica e despreza os outros por orgulho, sendo ele mesmo desprezível – que seja considerado um pária.

Aquele que faz nascer nos outros a cólera, é avaro, tem desejos maus, é invejoso, enganador, não tem vergonha ou não teme fazer o mal – que seja considerado um pária.

Aquele que injuria o Buda ou seu discípulo, um monge errante ou um leigo – que seja considerado um pária.

Aquele que sem ser arahant (santo) pretende sê – lo é o maior dos gatunos e verdadeiramente o mais baixo dos parias de todos os mundos, até o de Brahma.

 Todos estes que acabo de descrever são realmente parias. Não é por nascimento que alguém se torna um pária. Não é por nascimento que alguém se torna brâmane. É por seus atos que alguém se torna pária, por seus atos que se torna brâmane.

Suttanipata, I, 7 in W. Rahula                                                                            

L’Ensignement du Bouddha,

Le Seuil, Paris, 1961

  



                                                             Com todo Amor,

                                                                                                        R.M.
                                                                                                        Iniciado DK

Voltar ao Índice