Mestra Magda

   Sta. Maria Madalena

Estátua de Sta. Maria Madalena
Estátua de Sta. Maria Madalena
     A santa que dá nome a uma igreja. Madalena transporta uma cruz, e tem aos seus pés um crânio. Na sua mão esquerda tem o vaso de alabastro cheio de óleo que usou nos pés de Jesus. O evangelista S. Lucas faz-nos o relato deste episódio:

     "Um dos fariseus pediu-lhe que fosse comer com ele. Tendo entrado em casa do fariseu, pôs-se à mesa. Uma mulher, que era pecadora na cidade, quando soube que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro cheio de bálsamo. Colocando-se a seus pés, por detrás dele, começou a banhar-lhe os pés com lágrimas, e os enxugava com os cabelos da sua cabeça, os beijava, e os ungia com o bálsamo. Vendo isto o fariseu que o tinha convidado, disse consigo: «Se este fosse profeta, com certeza saberia quem é e qual é a mulher que o toca: uma pecadora». Então, respondendo Jesus, disse-lhe: «Simão, tenho uma coisa a dizer-te». Ele disse: «Mestre, fala». «Um credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos dinheiros, o outro cinquenta. Não tendo eles com que pagar, perdoou a ambos a dívida. Qual deles, pois, mais o amará?». Simão respondeu: «Creio que aquele a quem perdoou mais». Jesus disse-lhe: «Julgaste bem». Em seguida voltando-se para a mulher, disse a Simão: «Vês esta mulher? Entrei em tua casa, não me deste água para os pés; ela com as suas lágrimas banhou os meus pés, e enxugou-os com os seus cabelos. Não me deste o ósculo; porém ela, desde que entrou, não cessou de beijar os meus pés. Não ungiste a minha cabeça com com bálsamo, porém esta ungiu com bálsamo os meus pés. Pelo que te digo: São-lhe perdoados muitos pecados, porque muito amou. Mas, ao que pouco se perdoa, pouco ama». Depois disse à mulher: «São-te perdoados os pecados». Os convidados começaram a dizer entre si: «Quem é este que até perdoa pecados?» Mas Jesus disse à mulher: «A tua fé te salvou; vai em paz»." - Lucas 7, 36-50.
     Esta mulher "pecadora" é tida como sendo Maria Madalena, a mesma que segundo os Evangelhos acompanharia Jesus até à sua morte e ressureição. O próprio Lucas conta um pouco à frente que Jesus caminhando na companhia dos apóstolos, foi agrupando à sua roda um grande número de pessoas, entre elas pecadoras como "Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demónios (...)" - Lucas 8, 2.

     Seguidamente Jesus teria contado a parábola do semeador à população que se reunira à sua volta. A personagem de Maria Madalena está associada tão intimamente com a história de Saunière que é difícil ver nela uma simples pecadora perdoada, como o Novo Testamento a descreve. A sua proximidade de Jesus chega algumas vezes a ser evidenciada de modo flagrante.

Santa Maria Madalena

       "Seus numerosos pecados lhe estão perdoados, porque ela demonstrou muito amor"
    Santa Maria Madalena e os Anjos
    Santa Maria Madalena e os Anjos

       SANTA MARIA MADALENA ficou conhecida por ser pecadora, mas, pela conversão de sua alma tornou-se santa penitente. Jovem descendente de família nobre e rica e dotada de qualidades invejáveis de corpo e espírito, Madalena ficou orfão em tenra idade. Bem cedo adquiriu independência. Pouco a pouco perdeu o recato próprio das donzelas da época, dando ouvidos à voz sedutora da paixão.
    Quiz a providência divina que o olhar de Madalena se cruzasse com o olhar sereno de Jesus. Pela primeira vez lhe veio a compreensão de que outra coisa, que não a sensualidade, era capaz de tocar o coração humano: o amor divino. A conversão efetuou-se durante um banquete na casa do fariseu Simão.
    Diante de Jesus e do espanto de todos, Madalena prostra-se, lavando os pés de Cristo com suas lágrimas de arrependimento e secando-os com seus cabelos.
      "Teus pecados estão perdoados. Tua fé te salvou. Vá em paz", diz Jesus. Foi a Madalena que Jesus escolheu aparecer após a ressurreição.

   0 que se sabe sobre Maria Madalena é o que está no evangelho de Lucas, João e Marcos, mas o suficiente para ser venerada como santa pela igreja católica e ortodoxa. Maria Madalena é citada como aquela da qual foram expulsos sete demônios, e fala-se de uma mulher pecadora que ungiu os pés de Jesus. Havia três mulheres com o nome de Maria: Maria, mãe de Tiago, Maria, irmã de Marta e Lázaro, e Maria Madalena, a pecadora. (Mc15, 40), (Jo11,1-2), (Lc10,38), (Lc7,44-50).

A liturgia romana faz uma única comemoração dessas três mulheres como se fossem todas uma só, mas a liturgia oriental, as festeja separadamente.

Maria Madalena estava juntamente com a Virgem Maria aos pés da cruz, na agonia da crucificação foi ela também quem primeiro viu o Cristo ressuscitado. Daí por diante, há um silêncio sobre seu nome. A tradição diz que ela ficou com a Virgem Maria e São João Evangelista, acompanhando-os a Éfeso. A Igreja Católica a venera como santa e sua festa é em 22 de julho.

Santa Maria Madalena, a companheira do Salvador


   "Maria, tu, a abençoada, a quem vou aperfeiçoar em todos os mistérios do alto, fala com franqueza, tu, cujo coração está mais voltado ao reino de céu do que todos teus irmãos" (Pistis Sophia, livro 1, cap. 17).

A vida de Maria Madalena só é possível ser traçada através das fontes que nos foram deixadas pela tradição cristã. Estas fontes são os textos canônicos e os chamados apócrifos, principalmente os de cunho gnóstico. Estas fontes eram orais e únicas desde os primeiros tempos do cristianismo, até que no Concílio de Nicéia, em 325, houve a separação do o que era oficialmente aceito pela Igreja de Roma, os textos canônicos.

Maria Madalena é, com certeza, uma das personagens mais enigmáticas do Novo Testamento. Existem poucas citações diretas sobre ela nos quatro evangelhos, porém ela está nominalmente presente nas passagens mais marcantes na vida do Cristo, como a Paixão e a Ressurreição. Ela é a discípula que ama o mestre acima de tudo e é testemunha da Sua Ressurreição, sendo a portadora da Boa Nova. Por isso ela pode ser considerada a primeira apóstola.

Também dentro da tradição gnóstica ela possui um papel de suma importância como transmissora da Gnose, como portadora da Luz e como símbolo do verdadeiro adepto. Para muitas seitas cristãs originais, Maria Madalena era uma Mestra e seus ensinamentos eram oralmente transmitidos.

Apesar disso, ela teve toda uma simbologia gerada em torno de si, que acabou velando o verdadeiro significado de sua participação na vida e na obra de Jesus Cristo, e ocultando o real arquétipo que ela representa.

A imagem que foi sendo formada através dos séculos foi a da mulher pecadora, provavelmente uma prostituta, que foi purificada pelo Cristo, e como prova de seu amor espiritual, lavou os pés do Senhor e os enxugou com os próprios cabelos. Como mulher cheia de pecados, ela representou o arquétipo feminino tradicional, a transmissora do pecado original, que após ser curada, passou sua vida em penitência e arrependimento.

Uma das mais importantes figuras femininas dos evangelhos, Maria Madalena acabou tendo adulterado o significado de seu papel e de sua obra, sendo relegada a um segundo plano dentro da tradição cristã católica romana.

Contar a sua história é resgatar a profunda história de amor espiritual ao Cristo e aos Seus ensinamentos, representado pelos atos de Sua discípula mais amada.



Apóstola Apostolorum







ANTERIOR - CONTEÚDO - PRÓXIMO