Venerável Mestre Atisha



Mestre Indiano, Restaurador do Budismo no Tibet


Seu Nome é Dipamkara Srijnana ou Jowo Je Atisha. Nascido em 980A.D., no estado de Bengala, na Índia. Chegou ao Tibet em 1038 e faleceu em 1055 perto de Lhasa (actual capital do Tibet).


Gyatsundru Senge e Nagtso Lotsawa foram enviados pelo rei Jangchub Yod do Tibet ( no seu reinado, o budismo, que tinha sido alicerçado pelos mestres indianos Shantirakshita e Padma Smabhava e tinha decaído) para convencer Atisha a ir para o Tibet, ou terra de Bhodi. Atisha, depois de rezar a Avalokiteshvara e Tara foi-lhe dito em sonhos para ir a um pequeno templo budista; ali uma yogini disse-lhe para ir para o Tibet; mais adiante em Buda Gaya, uma outra mulher, idosa, disse-lhe o mesmo, mas disse que se fosse viveria até aos 92 anos, se não fosse viveria até aos 73 anos. Atisha, consciente de que iria beneficiar o povo do Tibet, partiu.


Segundo o XIV Dai Lai-Lama, Gelon Tenzin Gyatso, Atisha conseguiu mostar a maneira de praticar os ensinamentos de Buda sem nenhuma contradição. Os seus ensinamentos criaram a chamada Ordem Kadampa que consistiu na síntese dos vários veículos(yanas): “ a disciplina moral ou prática externa-Hinayana, a prática interior ou mente bhodi(Mahayana) e o Mantra Secreto(Vajrayana)".


Foi da Odem Kadampa que derivou a seita Gelugpa e os Tibetanos consideram-no uma encarnação do Bodhissattva Manjushri.


Dromptonpa Rinpoche, o qual, desde o momento que conheceu o mestre, acendeu sempre uma lamparina, frente à cama deste até ao fim dos seus dias. Dromptonpa escreveu, devido às preces de Sanpu Noglekpi Sherap, um livro secreto sobre os ensinamentos de Atisha o "Livro dos Fantasmas" ou Kadam Lek Bum. Este livro, durante anos, foi transmitido de lama ao discípulo, e não podia ser ensinado em público. Mais tarde, Drom Ku Mara, uma emanação do próprio Dromtonpa espalhou estes ensinamentos e o Mosteiro de Nartan tornou públicos estes ensinamentos.


A pedido do rei tibetano Jangchub Yod escreveu o tratado Bodhipathaprabha ou Luz a Caminho da Libertação.


Devido às preces de Sanpu Noglekpi Sherap, escreveu A Nobre Biografia de Dromtonpa. Deixou também instruções para atingir a via da libertação no Kadam Lhacho escrito no Mosteiro Lhari Ningpo Cul.


Máximas de Atisha Dipankara



ATISHA (980 - 1055)


O melhor erudito é aquele que realizou o significado da ausência de qualquer existência verdadeira.


O melhor monge é aquele que domou a sua própria mente.


A melhor qualidade é um grande desejo de beneficiar os outros.


A melhor instrução é sempre observar a mente.


O melhor remédio é conhecer que nada tem realidade inerente.


O melhor modo de vida é aquele que não se encaixa nos modos mundanos.


A melhor realização é uma diminuição constante das emoções negativas.


O melhor sinal da prática é uma diminuição constante dos desejos.


A melhor generosidade é o não-apêgo.


A melhor ética é pacificar a mente.


A melhor paciência é manter uma posição humilde.


O melhor esforço é abandonar as atividades.


A melhor concentração é não alterar a mente.


A melhor sabedoria é não tomar coisa alguma como sendo verdadeiramente existente.


Máximas de Atisha para o Treinamento da Mente Compassiva:



ATISHA (980 - 1055)


Mantenha sempre uma mente alegre.


Se puder praticar, mesmo distraído, você. estará bem treinado.


Mude sua atitude, mas permaneça natural.


Não pense na falha dos outros.


Trabalhe primeiro com as maiores imperfeições.


Abandone qualquer expectativa de resultado.


Renuncie aos alimentos venenosos.


Não seja tão previsível.


Não fale mal dos outros.


Não se ponha de emboscada.


Não leve as coisas a um ponto doloroso.


Não tranfira a carga do boi para a vaca.


Não tente ser o mais rápido.


Não aja ardilosamente.


Não tranforme deuses em demônios.


Não procure fazer da dor alheia as pernas da sua própria felicidade.


Treine-se imparcialmente em todas as áreas. É cruel fazer isso sempre, de modo abrangente e sem reservas.


Sempre medite sobre tudo que provoca ressentimento.


Não dependa de circunstâncias externas.


Não interprete incorretamente.


Não vacile.


Pratique com determinaço.


Não chafurde na autocomiseração.


Não seja invejoso.


Não seja frívolo.


Não espere aplauso.


Quando o mundo está cheio de maldades, transforme todas as adversidades no caminho de bodhi.


Seja grato a todos.


Incorpore à meditação tudo que você encontrar inesperadamente.


Tenha uma boa meditação.


 Paz e Luz!

 Atisha Dipankara, monge indiano que foi levado ao Tibete para transmitir a essencia dos ensinamentos do Buda.




 

.

Volte a Homepage