Assunto: 12 - O Ser em Movimento Dimensional
 
 
 
Nos fóruns anteriores vimos a importância na composição das cadeias químicas do corpo, das 4 “letras”: C.H.O.N.
Os geneticistas desvendaram o alfabeto do D N A, composto de 4 "letras": A.G.T.C.
Aceitamos com ensinamento, que essas letras se referem a 4 diferentes tipos de bases nitrogenadas que se combinam entre si para criar "palavras" e "frases" que compõem o código genético de cada pessoa.
Com o sucesso em decifrar seu próprio código genético os cientistas estariam enfim substituindo Deus por um Novo Deus, mais centrado na figura do próprio ser humano. Para os que não sabem, estas quatro letras são as iniciais de "adenina", "citosina", "guanina" e "timina", os quatro aminoácidos que compõem o nosso ADN. Estas quatro substâncias representam, por assim dizer, um dos mais básicos núcleos químicos constituintes de nossos corpos.
Contamos agora com um estudo gemátrico que liga a moderna ciência da Genética à ancestral ciência da Gematria.
Ao nos aprofundamos no tema, tudo o que verdadeiramente somos, num sentido físico, não passa de um conjunto químico de letras.
 
Essas letras, pela característica de suas formas, ressonância e vibração de seu som, atuam como antenas parabólicas, que estimulam e liberam as formas da mesma energia invisível da criação.
Cada letra individualmente representa uma energia específica. Cada som gerado pela vibração da pronúncia da letra representa uma força energética diferente.
Além disso, a distinta combinação de letras, através da sua cor, luz e som, cria desiguais tipos de energia, da mesma forma que diferentes combinações de notas musicais criam distintos tons e melodias.
A energia ligada à letra estudada está diretamente ligada à força divina feminina, criativa e criadora. É uma energia que liga o divino, seja imanente ou inerente, ao material, trazendo para o mundo físico as forças espirituais. É também uma energia reativa ao ambiente, percebendo as energias circundantes e adaptando-se a elas. A energia destas letras é uma energia de vitória sobre as dificuldades, evolutiva e que leva diretamente à eternidade através de uma organização precisa. Traz em si um grande conhecimento e destina-se ao restaurar das forças mais elevadas.
Dentro das siglas e fórmulas puramente químicas está também a maravilha da Criação, seja vista pela ocular de um microscópio ou pela análise das energias místicas que elas carregam. Pois "assim como é acima também é abaixo".
 
Pra começar teremos que compreeder - Duka

“O próximo é promessa, não é uma ameaça. Temos que recuperar a visão do próximo. E esta recuperação é possível a partir da revelação dos valores escondidos nos corações das pessoas incultas. Culto é aquele capaz de ver o outro. Olhar o outro. Sozinhos, nada faremos”.
“Eduardo Galeano”

Nunca ouviram falar que fulano de tal está caduca?
Tenho certeza que depois que vocês entenderem esta palavra concordarão comigo que todos aqui, que já passaram o tempo necessário, estão caducando no sentido de caducou no transitório e passageiro a experiência.
Aqui neste mundo artificial é o lugar próprio para educar, cultivar o espírito, instruir-se, cultivar-se para compreender duka e não para ser mal educado ou bem educado. Estas são belas porcarias que só servem ao relativo em desequilíbrio.
Tem que ter o objetivo de se livrar do aprisionamento e abandonar o mundo da duka.
Duka uma expressão do mundo desequilibrado é explicada a partir do fato de que, quando temos alegrias, elas são sempre e simultaneamente, sementes de sofrimento.
Esta é uma prática cíclica no mundo relativo desequilibrado.
É como a roda da vida no mundo do desequilíbrio, girando entre as polaridades de estar bem e estar mal.
No Oriente é visto como a alegria e sofrimento inseparáveis.
Isto é de duka.
Não há como evitar este tipo de inquietação.
Para todas as soluções com características favoráveis, que percebemos no mundo relativo desequilibrado, existem problemas correspondentes, exatamente no mesmo grau.
Ao se por em movimento palavras, sentimentos e pensamentos que provocam o movimento de duka logo aparece o sofrimento e alegria.
Na palavra faltar observamos logo o movimento. Por exemplo, falta dinheiro mobiliza logo a idéia de a quem não falta dinheiro. Mobiliza logo o sofrimento dos que não tem e a alegria dos que tem. O mesmo duka em faltar luz elétrica, faltar água.

Duka é qualquer coisa que provoca a idéia de dualidade, de separação.
A morte do corpo do relativo desequilibrado é lembrada pela memória dual do pensamento como faltar. Porque ali vem imediatamente a idéia de perder a alegria e ganhar sofrimento.
Perder e ganhar, alegria e sofrimento são todas as idéias simultâneas da Duka.
O que mobiliza a Duka é o pensamento.
Quando você é integro nas palavras, sentimentos, pensamentos, nas ações, nas ocasiões, jamais coloca intenções de Duka.
Tudo em você terá como padrão o Ser, que nunca exerce a ação Duka, pois não a tem.
Esta inteireza, esta constância e esta lealdade para com sua mente concentrada, é o que respira, no sentido de dar-se a conhecer, revelar-se, manifestar-se o Ser que não pratica Duka.
Perpetrar a idéia de Duka no mundo desequilibrado é manter viva a dualidade pelo sensório, ao mobilizar a separatividade no olhar, tocar, ouvir, no odor e paladar. Também no perceber, intuir e além do falar e sentir tudo isto sob o domínio do pensamento que foi colocado como memórias condicionantes.
Memórias que funcionam como espécimes de agregados.
Exercite ao máximo a maneira com a qual você vê e a todas as outras capacidades sensoriais. Ao notar uma prisão aos sentidos e ao nutrimento de Duka em si próprio.
Imediatamente faça uma dieta restritiva de emagrecimento.
Não se alimente destas coisas sensoriais destrutivas.

 


11 - O Ser em Movimento Dimensional
(texto Anterior)




Volte ao Site.