Os Índigos
Novas Crianças - Novos Homens
De Yamileth Garcia Sosa
Segundo os adeptos da psicoespiritualidade, hoje uma das mais modernas disciplinas científicas, nosso planeta está começando a ser povoado por uma nova raça humana, mais sensível e democrática, menos autoritária e manipuladora. Tratam-se de seres humanos muito especiais, gerados sob métodos estritamente naturais, nesta época marcada pelas fertilizações dentro de laboratórios e de clones de animais e plantas.

São crianças tão terrestres como seus pais, a única diferença é sua tarefa espiritual de impulsionar mudanças na humanidade.

Os especialistas as chamam de Crianças Indigo, e atribuem a elas grande dose de intuição, inclusive telepatia, qualidades de prever o futuro, e até reconhecer a presença de seres etéreos como as fadas e os duendes que, segundo alguns, nos rodeiam. Além disso, têm a capacidade de ver os espectros da luz, escutar todos os tipos de sons, e apresentam uma relevante hipersensibilidade tátil. Como se isso fosse pouco, alguns ainda chegam ao mundo com o dom da cura.

Mas por quê vêm ao planeta Terra? Segundo a pesquisadora da Psicoespiritualidade (conceito que se refere a psicologia transpessoal, onde se une o conhecimento do ego e da alma), a vinda dos novos homens não é uma casualidade. Pelo contrário, possuem uma tarefa específica a cumprir. "Muitas das crianças que chegam ao planeta vêm com a missão de elevar a energia vibratória, e possuem melhores condições biológicas para lidar com as impurezas criadas pelo homem. Trazem um potencial de mudança dentro de seu DNA. São a ponte de conexão entre a terceira e a quarta dimensão", ressalta María Dolores Paoli, psicóloga venezuelana praticante desta nova tendência, a psicoespiritualidade.

Segundo esta especialista, as Crianças Indigo nascem em todas as classes sócio-econômicas e caracterizam-se, basicamente, por possuir um novo estado de conciência. Contudo, destaca Paoli, também existem certos traços físicos que distinguem estas crianças: "São magros, têm olhos grandes, ligeiramente acentuados no lóbulo frontal, geralmente canhotos ou ambidestros. Comem pouco, e inclusive, alguns são vegetarianos por não suportar a carne". Mas não se trata de uma minoria de crianças especiais: esta nova raça, estima a analista, abrange cerca de 80% da população infantil mundial.

Valores Renovados
De acordo com Paoli, a educação e os valores transmitidos à criança, devem ser revisados pelos pais e especialistas. E por isso é preciso levar em consideração, antes de tudo, que as Crianças Indigo não aceitam a imposição nem a autoridade, recusam a manipulação, a falsidade e a desonestidade. Muito menos aceitam os velhos truques de disciplina baseados no medo e na culpa.

"Estes pequenos seres gostam de ser tratados e honrados como indivíduos", esclarece Paoli em seu Material de Apoio para a Educação das Crianças do Futuro. Nele a especialista considera que a educação emocional deve estabelecer-se na visibilidade e transparência.

"Não se deve envergonhar, culpar, mentir e nem gritar com as Crianças Indigo. Pelo contrário, é preciso preservar sua auto-estima. Deve se oferecer a oportunidade de escolha e, ao mesmo tempo, evitar a comparação. Devem receber disciplina sem emoção", acrescenta a psicóloga.

Outras sugestões para a educação emocional na infância é estimular sua superioridade, mas não a competição entre indivíduos. E também inserir bom humor durante sua educação.

Segundo Paoli existem palavras chaves durante o processo de ensino destes pequenos, que devem ser administradas de acordo com sua idade biológica, baseados nas Sete Leis Espirituais para os Pais. Por exemplo, até o primeiro ano de vida, os vocábulos essenciais são amor, afeto e atenção. "Os bebês devem ser tocados, abraçados, se sentir seguros e também é preciso brincar com eles", explica.

Depois, entre o primeiro e o segundo ano, destaca-se os termos liberdade, respeito e estímulo. "Durante esta etapa eles experimentam o desapego dos pais. Não se pode condicioná-los através do medo. Temos que evitar que a criança associe a dor, ao mal ou a fraqueza. Caso contrário, não haveria espaço para o crescimento espiritual", afirma Paoli.

Mérito, explorar e aprovar, são as palavras chaves entre os 2 e 5 anos. Época na qual o menor passa do Eu sou para o Eu Posso. Se for reprimido e não se sentir encorajado, ele será um adulto incapaz de enfrentar qualquer desafio", enfatiza a especialista.

Depois, entre os 5 e 8 anos, a criança já assimila conceitos mais abstratos. Por isso deve-se administrar os termos: dar, repartir, aceitar, verdade e não julgar. " Eles adoram dividir quando sentem amor. Mas se aprendem que para dar, é preciso perder algo, nunca saberão o verdadeiro significado da entrega. E quanto à verdade, devem aprender que vem acompanhada de um sentimento agradável e não como um precedente de um problema, caso fosse ocultada".

Depois, entre os 8 e 12 anos, agora não tão pequenos, eles aprendem como e por quê funcionam as coisas. Nesta etapa as palavras chaves são: juízo independência, discriminação e reflexão.

Em seguida, entre os 12 e 15 anos, a criança já na adolescência, exige que os pais utilizem termos como a experiência, a responsabilidade e estar alerta. "As que aprenderam as lições da educação espiritual, têm total confiança em seus pais. Do contrário, se sentiriam confusos, não resistiriam as pressões amigáveis e buscariam experiências indiscriminadas".

De acordo com Paoli, os colégios e os demais centros educativos, devem estar atentos para reconhecer a presença das Crianças Indigos dentro das salas de aula. Em sua opinião, estes alunos não correspondem aos métodos de ensino tradicionais. Pelo contrário, afirma a psicóloga, "aprendem de forma reflexiva e participante, não através da memorização. Por isso, não se deve estranhar que muitos destes pequenos sejam classificados como crianças problemas, já que se dispersam com grande facilidade durante as aulas".

NOVO CURRICULUM ESCOLAR
A presença desta nova raça humana está ajudando nas modificações, inclusive dentro do sistema escolar. O novo curriculum, segundo Paoli, será baseado no desenvolvimento da consciência, honestidade e responsabilidade, manifestando-se no pensamento intuitivo e crítico em busca de soluções. "Será um sistema igualitário, autônomo, integral e flexível", afirma a psicóloga. Esta reforma educativa incluirá nas escolas matérias como: compreensão e responsabilidade do poder, soluções pacíficas de conflitos, economia ética, ciência e espiritualidade, entre outras novidades.

Yamileth Garcia Sosa, jornalista venezuelana que residente em Miami, escreve sobre temas atuais relacionados com a América Latina.

Volte a Homepage. Back