O Hexagrama e o OM

HexagrOMHexagrOM

OM Mani Padme Hum

"OM Mani Padme Hum" é o mais antigo mantra e o mais importante do Buddhismo tibetano, normalmente traduzido do Sânscrito como, "OM, jóia do lotus, hum". A "jóia do lotus" pode ser considerada como iluminação surgindo no lotus da consciência humana. Este é o sagrado dos mantras tibetano, associado com o bodhisattva ("o ser iluminado") Avalokiteshvara, e é uma expressão de compaixão assim como um desejo para liberação e iluminação. A forma tibetana do mantra é como segue:

OM Mani Padme Hum

Cada carácter tibetano representa uma sílaba no mantra, e estas seis sílabas são ligadas aos seis modos de existência no bhava-chakra (" Roda da Vida"). A Roda de Vida é dividida em seis segmentos: a metade superior da Roda contem os reinos mais altos de deuses, antigos deuses (deuses ciosos) e ser humano. A metade mais baixa da Roda contem os reinos mais baixos de animais, fantasmas famintos e seres do inferno. Cada ser nasce em um destes reinos de existência de acordo com seu karma, e livros como o Livro Tibetano dos Mortos em detalhes assegura renascimento nos reinos mais altos e evita os mais baixos. As sílabas do mantra de Avalokiteshvara são designadas aos reinos de modo que a cada um dos tipos de seres podem ser ensinados os meios a liberação do ciclo da existência.

Criado por Robert Mills, o símbolo do HexagrOM coloca cada sílaba do mantra numa ponta de um hexagrama, como que equilibrando o centro do hexagrama contendo o símbolo poderoso do OM em si. O cenário cíclico das sílabas em ordem e ao redor dos pontos do hexagrama espelha a repetição do mantra, ambos em seua forma falada e nas rodas de orações encontradas nos templos tibetanos. O hexagram é um símbolo de liberação em termos do espiritualmente-aspirante triângulo ascendente, e compaixão em termos do universalmente-imanante triângulo para baixo, e como tal faz uma síntese poderosa com este honrado mantra:

OM Mani Padme Hum


Considerações Finais

As duas definições mais comuns do Om Mani Padme Hum são :
A) "A joia no centro do Lotus", e
B) "O dragão universal e a pérola".
Ambas interpretações são indicativas de diferentes níveis espirituais e de conhecimento cósmico.
A definição "A" é aplicada ao aspirante e a definição "B" é aplicada pelo iniciante em alquimia que trabalha com parceiros conhecidos, como a tântrica.

Estas duas variações provem de suas raizes no Budismo tibetano.
Entretanto, a fórmula, Om Mani Padme Hum , tem raizes mais profundas na índia, antes de Padme Sambhava. Esta fórmula para trabalho é o cartão do chamado ao Buddha Amitaba.