chama violeta  Pager




O FUTURO JÁ EXISTE?

 

Nesses tempos de mudança de papa as profecias sobre o final dos tempos sempre vêm à nossa mente. Por volta de 1.140, o bispo irlandês Malaquias, canonizado pelo Papa Clemente II em 1.190, traçou uma espécie de “cronologia papal”, uma descrição de todos os papas que se sucederam desde aquela época. Segundo ele, após João Paulo II haveria somente mais dois papas: um provavelmente beneditino, e Pedro II, que provavelmente não seria italiano e cujo pontificado terminaria em 2.013, numa “suprema desolação do mundo”.  Muitos videntes apontam que um papa de origem negra, com um pontificado curto, será um dos sinais do fim da Igreja. O sucessor de João Paulo II é um devoto de São Benedito, o santo negro, e tem uma idade avançada, sendo, lógico, previsto um curto pontificado para ele.

Estamos vivenciando notícias de centenas de OVNIS avistados e filmados em grupos, como no México em abril de 2.005. Mago Ladino, no final do século XVII, deixou uma obra composta de 147 cantos proféticos que descrevem acontecimentos entre os anos de 1.750 e 3.000, época em que previu “o fim de todas as coisas”. Ele prevê uma mudança no eixo da Terra, a chegada de “homens-espuma”, seres astutos e inteligentes que “virão de mundos longínquos, mas sem deixar um amanhã” (provavelmente extraterrestres, víboras com nome de santo): “as suas línguas serão bifurcadas e no tempo trocará muitas mudas... filho do mal, língua maligna”. Fala também do fim da Igreja Católica quando “no lugar da cruz escura será levantada a meia-lua... enquanto sobre Roma cairão as bombas... e finalmente sobre a cidade do lírio espalhar-se-á uma grande fumaça”.

Nesse tempo, segundo os textos apócrifos dos Apocalipses de Pedro e Paulo, haverá muito fogo: “o mar se tornará fogo. Sob o céu haverá um fogo cruel que não se apagará...” (Apocalipse de Pedro), “vi uma grande nuvem de fogo que se estendia sobre o mundo todo” (Apocalipse de Paulo), provavelmente uma guerra de dimensões jamais vistas, após o que virá um período de mil anos de paz com a presença de Cristo (Apocalipse de João 20:1-6). Profecia semelhante está na carta à Henrique II, da França, enviada por Nostradamus: “começará então entre Deus e os homens uma paz universal que durará cerca de mil anos”.

Em 1.582, seguindo o conselho de diversos astrônomos da época, o Papa Gregório XIII corrigiu a diferença existente entre o ciclo solar e o calendário vigente. Determinou, entre outras coisas, que depois de 4 de outubro de 1.582 seria 15 de outubro de 1.582 e colocou um dia a mais em fevereiro nos anos divisíveis por quatro. Dessa forma, a conhecida Centúria X-72 de Nostradamus, que falava literalmente no sétimo mês do ano 1.999 como a data da chegada do “grande rei do terror” e que foi escrita antes dessa reforma (por volta de 1.540), segundo alguns, na verdade refere-se ao ano de 2.011. Segundo essa mesma Centúria, nessa época haverá uma guerra que durará 27 anos (Centúria VIII-77) – até 2.038: “sangue de corpos humanos, chuva vermelha cobrindo a terra”. Nostradamus prevê também que o céu queimará e um fogo se aproximará de uma grande “cidade nova” e num instante a grande chama se espalhará (Centúria VI-97). Fala também do colapso do sistema financeiro, dívida pública e destruição de papéis e moedas (Centúria VIII-28).

Jeane Dixon, uma das videntes mais conhecidas dos Estados Unidos, profetizou: “ocorrerá algo que abalará literalmente a Terra... um fenômeno natural que, creio, será a intervenção divina, algo como um meteoro. Acontecerá numa questão de minutos e envolverá o deslocamento das águas. ... A Terra tremia sob meus pés. Depois, foi como se o mundo deixasse de girar em redor de seu eixo. Vi que, neste século, haverá muitas mudanças geológicas e geográficas, bem como inúmeros terremotos. ... Onde agora existe água, haverá terra, e onde agora há terra, haverá águas revoltas e violentas, que correrão e destruirão tudo que encontrarem à sua passagem.  ... Não tenhais a ilusão de alcançar a paz antes de 1.999... Depois haverá ainda um período de incerteza. O homem será sobre a Terra como o viajante em um país desconhecido. Haverá tempos novos, sobre os quais triunfará o espírito, depois de 2.040”.

As conhecidas profecias de Merlim, editadas em Veneza em 1.279, falam também de uma provável inversão do eixo da Terra, de fogo em toda a Terra e de um papa negro. Depois do terremoto e do tsunami que ocorreram no sudeste da Ásia em dezembro de 2.004, foi divulgado pelos cientistas que o eixo da Terra alterou-se em alguns segundos de grau. A constatação veio dos pesquisadores do Centro de Geodésia Espacial da Agência Espacial Italiana, respaldados nos dados mundiais telemétricos enviados por laser aos satélites. Os cientistas calculam que a alteração foi de cerca de dois milésimos de segundo, o que corresponde a cinco ou seus centímetros em linha reta. Além disso, “quando uma grande placa tectônica sob o Oceano Índico foi forçada para baixo de outra, fez com que a Terra, mais compacta, girasse mais rápido", disse Richard Gross, geofísico do Laboratório de Jato-Propulsão da Nasa, na Califórnia. Então há a possibilidade de que cataclismos naturais, ou mesmo guerras que causem alterações geológicas, alterem mesmo o eixo da Terra e influenciem na duração do dia terrestre.

Era julho de 2.001, quando veio um alerta de cientistas ingleses e norte-americanos: o vulcão Cumbre Vieja, inativo há 34 anos na ilha La Palma, no arquipélago das Canárias, território espanhol na África, dava sinais de vida. Não há como prever quando ele vai entrar em erupção, mas uma coisa os cientistas sabem: o deslizamento de magma sobre o mar vai provocar ondas gigantescas que podem chegar a 40 metros de altura, o que equivale a um prédio entre seis e dez andares. Segundo David Zee, oceanógrafo e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a onda assassina pode arrasar cidades litorâneas em três continentes (litoral da Europa e da África, Flórida, Canadá e norte do Brasil): “Em nosso país, as ondas podem chegar em oito horas ao litoral norte, que fica a 4.500 quilômetros de distância das ilhas Canárias”.

João Belchior Bosco nasceu em Becchi, norte da Itália, em 1.815. Ainda criança teve seus primeiros sonhos proféticos. Em 1.841 é ordenado sacerdote, tendo sido ele o fundador da Ordem dos Salesianos, em 1.859, e da Congregação das Filhas de Maria Auxiliadora, em 1.872. Em 1.934 é canonizado pelo Papa Pio XI como “santo universal dos tempos modernos”. Faleceu em Turim, a 31 de janeiro de 1.888, aos 72 anos de idade, deixando várias instituições de caridade.

Vários foram os sonhos proféticos de Dom Bosco, que se cumpriam sempre. Uma de suas profecias é a dos plenilúnios. Diz a profecia: “...as potências do século vomitarão fogo e gostariam que as palavras fossem sufocadas na garganta dos guardiães da minha lei. Ocorrerá ainda um furacão violento. Consumada a iniquidade, o pecado terá fim e antes que se passem dois plenilúnios no mês das flores, a íris da paz aparecerá sobre a Terra. O Grande Ministro verá a esposa de seu rei vestida para festa. Em todo o mundo aparecerá um sol tão luminoso como não o foi jamais, desde as chamas da última Ceia até hoje, nem jamais será visto até o último dos dias. Quatrocentos dias após o mês das flores que terá duas luas cheias, a revolução será proclamada na Itália. Duzentos dias depois, o Papa será obrigado a deixar Roma e andará errante durante cem dias, depois do que regressará à sua capital e cantará em São Pedro o Te Deum de Salvação”.

No século XXI (até 2.040), as datas em que haverão duas luas cheias no mês das flores (a estação da primavera – 23/09 a 21/12) são: 01 e 30 de novembro de 2.001, 01 e 30 de junho de 2.007, 02 e 31 de dezembro de 2.009, 01 e 30 de setembro de 2.012, 01 e 31 de outubro de 2.020, 02 e 31 de dezembro de 2.028, 01 e 30 de setembro de 2.031 e 02 e 31 de outubro de 2.039. Temos os anos de 2,009 e 2.012 como prováveis datas para essa profecia de Dom Bosco. Como o retorno do papa se dará 700 dias (dois anos) após essa data, talvez seja mais sensato considerar 2.009 como a data mais provável para o fim da “iniqüidade”. Vimos que Nostradamus previra o fim da guerra para 2.038.

Entre os séculos II e IX do nosso calendário, existiram os maias, um povo que floresceu na península de Yucatan (atual México), Guatemala e no norte de Honduras, astrônomos incríveis que possuíam uma sofisticada escrita hieroglífica . Por motivos desconhecidos até hoje, esse império começou a declinar populacionalmente por volta do ano 900 d.C., abandonando seus centros urbanos, e passando a viver em simples aldeias dentro da mata.

Os documentos decifrados da antiga civilização Maia, mostram que eles conheciam um sistema de numeração de base de 20 e representavam seus números por um meio de pontas de barras: o ponto representava uma unidade e a barra um conjunto de 5 pontos. Cada número menor do que vinte tinha sua própria figura, em geral semelhante às cabeças humanas. Materializavam esse sistema numérico decimal no “quipu", uma série de cordões coloridos com nós, até hoje encontrados nas feiras e lojas do México, Perú, Guatemala e outros. No “quipu” indicavam por meio de pequenos nós, segundo seu tipo e posição, as dezenas, centenas e milhares ou outros algarismos, e inventaram também o conceito de abstração matemática, o valor zero, fazendo-o intervir nos seus cálculos.

O desenvolvimento da aritmética pelos maias permitiu-lhes executar cálculos astronômicos de uma exatidão admirável. Conheciam e calculavam o movimento do Sol, da Lua, de Vênus e de outros planetas como Urano e Netuno. Tal adiantamento lhes valeu o título de “gregos da América” e de “Mestres do Tempo”. Este sistema de numeração de base de vinte foi adotada no Tzolkin, o Calendário dos Maias.
Nesse calendário perpétuo, mais perfeito que o calendário gregoriano, há cálculos para mais de 400 milhões de anos. Para os maias, um dia de 24 horas era “kin” (kin também significava o Sol). A partir do “kin” (unidade de tempo), elaboravam o seu calendário perfeito de 260 dias que se inter-relaciona com o nosso calendário solar (de 365 dias) a cada 52 anos. Um ciclo de 20 anos é um katum, e 260 katuns equivalem a 5.125 anos no calendário gregoriano (5.200 anos no calendário maia), que os maias subdividem em 13 sub-ciclos chamados de baktuns.

Segundo eles, na Terra existem ciclos repetidos de criação e destruição que dependem de ciclos semelhantes do Sol, e que se repetiriam a cada 5.256 anos maia (1.366.560 kin). Sabe-se hoje que o Sol apresenta ciclos de maior e menor atividade, coincidindo, aquela, com o surgimento das conhecidas manchas solares que, atravessando a camada de ozônio, transformam o nitrogênio da atmosfera no elemento radioativo carbono-14. Cálculos astronômicos dizem que o ciclo das manchas solares é de 68.302 dias e que após 20 ciclos (1.366.040 dias) o campo magnético solar se inclina acarretando uma mudança semelhante no eixo magnético da Terra, podendo acarretar diversas conseqüências como atividades vulcânicas, terremotos e enchentes.

Atualmente estamos no décimo terceiro ciclo chamado de baktum 12. O atual ciclo de 5.125 anos também chamado de quinto Sol, teve seu início em 10 de agosto de 3.113 a.C., com o “nascimento” do planeta Vênus no horizonte, e findará em 22 de dezembro de 2.012, quando ele desaparecerá a oeste (mesmo momento em que as Plêiades surgirão no leste), acelerando-se praticamente em 31 de dezembro de 2.011. Cada era sempre terminaria com cataclismos, e assim, a segunda era teria findado com uma destruição pela água, a terceira pelo vento e a quarta pelo fogo. Na quinta era, a destruição seria pela fome, depois de um período de chuva de sangue e fogo. Após essa data fatídica, que fecha um ciclo de 5 katuns (25.625 anos gregorianos ou 26.000 anos maia – 1.300 katuns), iniciar-se-ia uma nova era durante um período de 102.500 anos gregorianos ou 104.000 anos maia (4 ciclos de 26.000 anos – 5.200 katuns): um ano Super Solar.

Em meados de 2003 recebi um e-mail que dizia o seguinte:

 

"Estas profecias foram recebidas por um grupo de estudos da Espanha, cujo conteúdo vem dos Maias, sobre o momento que passamos. Foram traduzidas do espanhol. A quem interessar, que faça bom uso, para se transformar internamente. A quem não interessar, que descarte, em silêncio meditativo e equilibrada atitude".

 

2002 - Ano de preparação. Ano de transição.

2003 - Aumenta a entrada de novas energias e o nº de pessoas que não a toleram. Muitas pessoas enfermas de doenças desconhecidas pela ciência. Aumenta a freqüência de emissão da luz do sol.

2004 - Produzem-se mudanças repentinas nas pessoas, quanto à maneira de pensar e de ver as coisas. Potencializa-se o positivo e o negativo. Tombam os alicerces da Igreja Católica. Morre o Papa João Paulo II (veja mais).

2005 - Aparece no céu um novo planeta (veja mais). Isto produz mudanças eletromagnéticas e gravitacionais na Terra. O sistema Bancário quebra-se. A humanidade começa a dar ao dinheiro outro sentido. Também aumenta a atividade do pólo negativo e se produz um grande caos em todos os níveis.

2006 - Existem dois tipos de humanidade bem diferenciadas. A Luz e a Escuridão em franca luta. O novo planeta se instala na órbita entre Marte e Júpiter. Grande Caos a nível mundial. QUEM NÃO TEM ONDE PLANTAR, NÃO COMERÁ. Valorizam-se mais outras coisas, como o companheirismo, a amizade, o amor, o desapego, a compaixão, o altruismo.Muitos movimentos sísmicos e vulcânicos. O eixo polar da terra muda de posição. O mar inunda as zonas costeiras. Produz-se um grande despertar da humanidade. Forças da Escuridão passam para a Luz. As catástrofes planetárias põem em harmonia as nações do mundo.

2007 - Desaparecem muitas fronteiras. Começa o sentimento de UNIDADE entre a HUMANIDADE. Os povos se ajudam entre si. Os irmãos Maiores vêm coabitar (viver) com a humanidade. Aparece a cultura oculta durante tantos anos. A humanidade colabora com os Irmãos Maiores. Formam-se comunidades harmônicas entre os seres humanos e de outros planetas.

2008 - Aqueles que conseguem tolerar a frequência da luz do sol e a vibração da Terra a 13 ciclos por segundo, permanecem; os que não, desencarnam. As Forças Involucionistas perdem a batalha, definitivamente. O novo planeta realiza os ajustes orbitais na Terra e muda a geografia tal como a conhecemos hoje. As Forças Involutivas que não desejam trabalhar com a Luz são transportadas para o novo planeta. É feita a limpeza total astral da Terra.

2009 - Ano da estabilização das mudanças. É necessário adaptar-se à nova vibração com uma alimentação sadia. Ativam-se e potencializam-se as percepções ultra-sensoriais. Começam a funcionar as espirais de DNA que estavam adormecidos no corpo humano. Os animais não são mais, definitivamente, alimentos para a humanidade.

2010 - Os reinos animal, vegetal e mineral se harmonizam, desaparecendo da Terra espécies que não são mais necessárias. Chegam mais Irmãos Maiores para conviver com a humanidade, e ensinam coisas que não conseguimos nem imaginar até agora.

2011 - A humanidade é agora UNA. Tem consciência das Civilizações Cósmicas que existem e se prepara para entrar na Confederação Intergaláctica como membro de pleno direito. Segue ampliando o trabalho de aprendizagem.

2012 - A humanidade é feliz. A humanidade é harmônica. A humanidade tem consciência de tudo que é. Inicia-se uma grande Festa Cósmica. A Terra nomeia seus representantes para a Confederação Intergaláctica, e exporta AMOR para todo o Cosmo. Inicia-se uma nova era e a Terra passa a ajudar na evolução de outras humanidades da terceira dimensão.

Rio de Janeiro - Brasil
Sexta-feira 18 de janeiro de 2007



Volte a Homepage. Back