chama violeta  Pager

Plenilúnio de Capricórnio


Sexta feira 28 de dezembro de 2012: h: 10:21hs am T.U. (Tempo Universal GMT)

Calcualar o horário em menos 3 ( Tempo Brasilia )


 



Nota chave: "Estou imerso na Luz suprema e a essa Luz dou as costas"


É o Festival de Capricórnio que nos proporciona o tema e enfoque para nossa meditação de Lua Cheia neste mês. Diz-se que Capricórnio é uma das forças mais difíceis de se compreender porque é o mais misterioso dos doze signos. Talvez porque o verdadeiro Capricórnio pode atuar em qualquer um dos extremos de consciência: de um materialismo mais denso até a percepção iluminada do iniciado.

Capricórnio oferece uma imagem bastante completa da humanidade com seus pés na Terra correndo livremente e subindo às alturas da ambição mundana, ou da aspiração espiritual em busca daquilo que percebe como principal necessidade. Como o carneiro, ele é o ser humano terreno e ávido buscador da satisfação do desejo; como aspirante, ele é o buscador igualmente egoísta à caça da satisfação de sua aspiração.

A definição mais adequada é que o ser humano é “um animal, porém um Deus vivo em forma física”. Em sua estimulação, a energia de Capricórnio parece representar estes dois aspectos da constituição humana. Todavia, enfocado em sua natureza animal encontra-se esse ambicioso animal que luta por seus interesses egoístas, preparado para chegar tão longe quanto necessário para satisfazer suas necessidades e desejos. Os aspirantes ao discipulado que se encontram sob sua influência estão estimulados e inspirados em sua ascensão, saindo das profundezas da vida controlada pela forma em direção à luz e a glória da experiência do topo da montanha, a iniciação.

Portanto, dependendo de onde se encontre um indivíduo na senda da evolução, Capricórnio estimulará tudo quanto seja material e centrado na forma, ou tudo quanto seja espiritual. Em Capricórnio estamos diante do triunfo da matéria, que alcança sua expressão mais concreta e densa, porém esse triunfo é seguido pelo do espírito. Em Capricórnio encontra-se a plena expressão da natureza terrena, porém encontram-se também imensas possibilidades espirituais.

Capricórnio é um signo de conclusão, pois representa as profundezas da degradação ou da cristalização e o topo da conquista espiritual: os dois pólos de toda a experiência humana. Ele é também o signo do recomeçar, posto que cada final é apenas o encerramento de uma fase ou ciclo, onde cada conquista é apenas mais um passo para o crescimento.

Capricórnio inaugura um novo ciclo de esforço. A situação atual do mundo indica que a humanidade se encontra no estado de agitação que antecede a realização de um avanço decisivo no desenvolvimento da autoconsciência. O passo seguinte implica a expressão do sentido da responsabilidade, que é a primeira flor e fruto da percepção autoconsciente, uma primeira indicação de que a alma está fazendo sentir sua presença. O conflito atual deve-se ao enfrentamento que está ocorrendo entre o crescimento espiritual, em todos os níveis de percepção humana, e a resistência das forças impenitentes da personalidade; assim como entre as forças do materialismo entrincheiradas na forma humana e as forças da Luz trabalhando através da Hierarquia Espiritual de Luz e Amor. Isto é similar à batalha final no indivíduo entre a personalidade, o Morador do Umbral, e a alma, o Anjo da Presença.

Capricórnio guarda o segredo da alma, o segredo da glória oculta, revelado ao discípulo no ponto culminante da terceira iniciação; a transfiguração da personalidade pela alma no topo da montanha. Porém essa revelação só pode acontecer como resultado do esforço e da capacidade de elevar-se acima das limitações da personalidade, da persistência no caminho da ascensão apesar dos obstáculos e das dificuldades. Não existe um caminho fácil para que os indivíduos se liberem das próprias limitações do seu egoísmo e separatividade; e não existem atalhos. É um longo e doloroso processo no qual aprendemos, mediante a experiência pessoal, que a autodisciplina, o autocontrole e o auto-sacrifício formam as pedras fundamentais do discipulado.

Sobre estas pedras angulares pode, eventualmente, desenvolver-se a superestrutura de uma forma de vida amorosa e responsável, que reflete os valores da alma. Esse crescimento de consciência converte-se no caminho iniciático, no caminho que conduz ao topo da montanha, em direção a essa Luz suprema que revela a alma como verdadeiro Ser, o Plano como responsabilidade do discipulado e a Hierarquia Espiritual do Planeta como o centro do amor onde, através da iniciação, o discípulo aceito é admitido.

Capricórnio é, portanto, o signo destacado da iniciação. Segundo os antigos mitos e lendas, todo deus-sol nasce neste signo. (Um deus-sol é aquele cuja tarefa é revelar algum aspecto do princípio da alma: amor, luz e vontade cósmicos.) O auge da experiência puramente humana, a terceira iniciação de Transfiguração, está regida por Capricórnio. Nela a alma revela sua beleza, verdade e bondade na consciência do discípulo, confirmando sua conquista e estabelecendo a próxima etapa do caminho. Martin Luther King falou de haver estado no topo da montanha e de haver contemplado a “terra prometida”. Referia-se à promessa que a alma entende à toda vida humana. A superação das limitações pessoais e as barreiras impostas pelas circunstâncias só são possíveis à luz de um estado de consciência mais elevado e inclusivo.

Para todos os discípulos, o caminho até a terceira iniciação, inclusive, é o caminho do serviço entre os “filhos dos homens”, todavia sofrendo nas planícies e vales da experiência humana. Os iniciados deixam para trás a experiência do alto da montanha e voltam seus rostos para o campo de serviço enfocando toda sua atenção e energias na satisfação das necessidades do reino humano.

A nota chave do discípulo em Capricórnio é eloqüente a respeito de toda esta experiência: “Estou imerso na Luz suprema e a essa Luz dou as costas”. Nas palavras da nota chave de nosso trabalho de meditação de Lua Cheia, “o discípulo gira sobre o pedestal de luz e se volta em direção oposta; volta seu rosto para a obscuridade e, então, os sete pontos de luz dentro de si mesmo irradiam luz para o exterior.” Este é o momento em que os rostos daqueles que olham a senda obscura recebem essa luz. Para eles o caminho já não está escuro, e por trás dos guerreiros, entre a luz e a escuridão, resplandece a Luz da Hierarquia.Guardemos estes inspiradores pensamentos em nossas consciências meditativas enquanto nos empenhamos em cooperar com a oportunidade de serviço proporcionada por este Festival de Capricórnio, concluindo com a Grande Invocação:


Volte a Homepage. Back