OS 22 CAMINHOS DA KABALA  
 

 

                

       

Sámek
60   
 
     

                  25º CAMINHO - YESOD - TIPHERETH

         O 25º Caminho é o da INTELIGÊNCIA DO TESTE OU DA TENTAÇÃO, e é chamado deste modo porque ele é a primeira tentação para a qual o Criador tenta a pessoa reta.

         Neste caminho crucial, atravessado pelo 27º Caminho no qual a Personalidade já deveria ter harmonizado com todas as circunstâncias, tanto externas como internas, o iniciado se depara com o primeiro obstáculo, o Véu de Quesheth. É a experiência dolorosa da noite escura da alma, só baseado no próprio conhecimento e na fé, a única luz no caminho, abandonando o conhecido, rumo ao desconhecido. A natureza inferior já deve ter sido dominada, pois terá que enfrentar com os testes e tentações que surgirão na sua vida diária; precisa de tornar se indiferente à fascinação dos mundos inferiores, de forma que a Individualidade pode usar o veículo físico para os fins de sua natureza mais elevada. Não deveria permitir ser enganado pelas visões astrais de Yesod, pela paixão de Netzah, nem se deixar confundir pela mente concreta de Hod; lançará todas as ilusões do mundo inferior no fogo sacrificador do amor e fé devocional.

         Se realiza neste Caminho o segundo nascimento, simbolizado pela imagem mágica de Tiphereth - O Menino. A segunda imagem mágica da 6ª esfera, UM Deus Sacrificado, significa ação, o trabalho de acordo com os padrões espirituais, até onde o karma pessoal o permita. O sacrifício consiste na transferência da força de uma forma para outra, no empenho de restabelecer o equilíbrio, se tornando um mediador entre os níveis superiores e inferiores.

         Quando o iniciado conquista esta etapa é saudado pelo Arco do Triunfo, simbolizado pelo Arco Íris de Luz espiritual que se estende atrás de Yesod. A consciência exaltada e manifestada transforma isto em um rei cujo Reino não é deste mundo. Alcançando a Tiphereth, nós nos tornamos Senhores da Natureza como também de nós mesmos. A Grande Herarquía nos aceita como discipulos que abraçam com decisão nossa parte na realização do Grande Trabalho. Neste Caminho o iniciado passa da consciência sensorial de Malkuth e da psique astral de Yesod para a consciência intuitiva sutil de Tiphereth, o superior da Individualidade.

         No princípio da jornada neste caminho, o caminhante se apóia em muletas simbolizadas pela letra Samekh. Esta letra esotericamente representa o círculo, a serpente mordendo o próprio rabo, simbolizando aquele que se alimenta com sua própria substância. Também representa o movimento circular periódico. O arco cuja corda siila quando a seta é atirada rumo ao objetivo é outra simbologia desta letra. O movimento circular que mantém os planetas em equilíbrio em suas órbitas, também simbolizado pela letra Samekh também se refere a busca da harmonia e a perfeição entre as etapas de cada encarnação.

         O significado espiritual deste Caminho é ligado ao signo de Sagitário, signo de fogo. O significado astrológico deste signo indica a velocidade e direção aliadas à esperança, confiança e vontade poderosa, qualidades estas que conferem capacidade para enfrentar grandes lutas. Antigamente, este signo foi descrito por um centauro. Atualmente se usa o Arco e a Flecha que representa o objetivo ( branco) a ser alcançado: a união com o eu Superior. O Arco e a Flecha também é o símbolo do Cupido, o eu Superior que lança seu raio para acordar na personalidade o amor divino.

         O objetivo deste Caminho expressa a total conscientização da Consciência Crística da Presença; é a experiência da união da personalidade com a Individualidade. É um padrão espiritual de perfeição difícil de ser concretizado, mas nem por isso deve ser posto de lado. Não se trata de um vir a ser, porque ninguém pode tornar se naquilo que já não é essencialmente.

         O título: O Impulsor da Vida, se vincula com o eu Superior que induz na personalidade a aspiração de desenvolver a vida superior. A reconciliação entre a personalidade e a Individualidade, o filho pródigo que volta à verdadeira identidade dele, é simbolizado pelo outro título Enigmático do Arcano XIV, Filha dos Reconciliadores. Este Arcano é representado por uma jovem ou anjo alado fulgurante que é suposto ser Rafael, o agente de cura divina, esvaziando um líquido brilhante de um jarro de ouro em outra de prata, significando a transformação dos metais, como também o eu Superior que transmuda a personalidade. É de Tiphereth, nível do eu Superior que a Vida vem representada pelo líquido brilhante. Este é o Caminho púrpuro do misticimo devocional.



 


Volte ao Site.