sintonia




Estudos de Textos Semanais
Estudar um deles da semana, na ordem, à cada dia.


Ensinar significa 7ª semana

43º DIA - O Chamado

A torá narra o início de um processo de libertação. O Eterno aparece à Moisés e orienta-o a ir o Faraó e exigir a liberdade para o seu povo. Moisés questiona o Eterno, pois se seu próprio povo não escutara o chamado, como iria o Faraó escutar?

Nesse momento ha a indicação de algo que acontece também em nossa vida, quando recebemos um chamado, mas mergulhados em conflitos emocionais e pressionados pela pesada batalha da sobrevivência, deixamos de escutá-lo.

A porção da Torá acontece em um momento muito especial, quando Plutão avança pelo signo de capricórnio, e o ser humano, como nunca, passará a questionar o significado da palavra realização. Mudanças muito profundas à caminho. Sem dúvidas, um chamado para a auto-transformação.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

44º DIA - O Milagre

A porção da torá , muito significativa, marca aquele que teria sido o maior milagre da história: a abertura do mar. Embora seja traduzido como abertura do mar vermelho, uma tradução mais cuidadosa deste episódio revelará que o que Moisés abriu foi o “mar do fim”, ou seja, ele abriu uma perspectiva para o mundo infinito, o mundo dos 100%.
Esta é uma história toda repleta de parábolas, e seu significado mais profundo fala de uma situação de escravidão, à qual a grande maioria de nós, seres humanos, está submetida. Sair do mundo da escravidão não é fácil. Muitas vezes é realmente necessário um milagre para que possamos iniciar essa travessia.
Aproveitemos a forte energia vigente para evocar essa força do milagre. Pode ser a cura de um problema de saúde, a libertação de um vício ou mesmo uma nova forma de pensar. Seja qual for o seu caso, trata-se de um ótimo momento para, juntos, construirmos uma nova perspectiva de vida.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

45º DIA - O Templo

Falo sobre a construção de um tabernáculo: a arca da aliança, e tudo com que ela se relaciona. E assim aparece: “E me farão um santuário e morarei entre eles”. A construção da frase é significativa, uma vez que ela indica que o Eterno não morará apenas no tabernáculo, mas sim entre "eles", os homens. E isto é muito importante de se entender.

Afinal, quantas não são as pessoas, das mais diferentes religiões, que se tornam espiritualizadas ao chegar em suas igrejas, sinagogas e mesquitas, e assim que deixam seus santuários se esquecem por completo da dimensão do sagrado em suas vidas?
Por isso, a idéia mais importante presente no texto está na construção de nosso templo. Nossa casa, o trabalho, os amigos, a família e principalmente, nosso próprio corpo, são importantes santuários para a moradia do sagrado.
Que possamos re-construir o nosso templo e, assim, incluir a dimensão do sagrado em tudo que faz parte de nossa existência.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

46º DIA - A Alegria

A porção da Torá conta a história de um povo inquieto com a ausência de seu líder, que fora ao monte Sinai receber a Torá e ainda não havia retornado. Então o povo construiu e idolatrou um bezerro de ouro. Moisés chegou em seguida e ao se deparar com o pecado da idolatria derreteu o bezerro na água, fazendo- os “beber daquelas águas”.

Toda esta história é uma alegoria, que fala sobre os "bezerros de ouro" que construímos em nossa vida, quando tomados pela falta de conifança e pela busca de resultados imediatos passamos a duvidar da grandiosidade de nossa missão e nos deixamos contaminar por diversas formas de negatividade.

Regidos pela lua cheia de Peixes, ganhamos força para romper com isso. A Cabala explica que essa é uma grande fenda de Alegria, e neste momento torna-se mais fácil dizer "não" para tudo que é negativo. Portanto, Alegria é a palavra-chave.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

47º DIA - A Purificação

A porção da Torá continua especificando as regras para os sacrifícios. Como já dito anteriormente, é impossível entender estas porções sem compreender os códigos que se encontram por trás delas. E é a sabedoria da cabala que nos permite decodificar e extrair a imensa luz por trás de cada palavra da Torá.
A congregação é toda reunida para um ritual de purificação. Quase no final do texto encontramos:
E não morrereis, porque assim me foi ordenado”.
A Torá nos ensina que a morte é muito mais do que algo que acontece no fim de nossas vidas. As energias de mortificação estão relacionadas aos movimentos destrutivos que passam por nossas vidas, sejam eles falta de saúde, falência financeira ou desentendimento afetivo. E é por isso que precisamos dedicar uma parcela de nossas vidas para um movimento de purificação, de contato com a Luz.
Combatamos as energias destrutivas através da re-descoberta de nossa capacidade de amar e do fortalecimento de nossas inclinações mais positivas.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

48º DIA - A Dedicação

Damos continuidade ao importante assunto da construção do templo. Como já vimos, não há templo mais significativo do que nosso próprio corpo, veiculo onde se dá o verdadeiro encontro com o criador.
Por trás de uma aparente descrição de objetos e vestes, o texto quer nos lembrar do quanto precisamos trabalhar nossa consciência física, mental e espiritual. E como fazer isto?
Exercícios físicos, boa alimentação, meditação diária, orações, estímulos intelectuais, escolha de companhias construtivas, o ritual em grupo. O fato é que são os detalhes que fazem toda a diferença
Nos dedicamos re-construir o nosso templo!

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

49º DIA - O Poder do Pensamento

A porção da Torá especifica o vestuário usado pelo sacerdote em seu serviço divino. O cabalista extrai importantes códigos, mesmo nas menores frases, como essa retirada do texto:
E farás vestidos de santidade para Aarão, teu irmão”.
Os vestidos de santidade representam as vestes de nossa alma: pensamentos, palavras e ações. Focamos a atenção no pensamento, onde tudo se inicia. Ele é a semente de todo o resto, já que você é atraído pelas imagens que mantém em sua mente e tudo o que se passa na sua mente é atraído até você.

Mos concentremos em substituir os pensamentos negativos pelos positivos, e a meditação OLAM ajuda muito. O fato é que somos nós que atraímos nossa própria realidade.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.


Voltar