sintonia




Estudos de Textos Semanais
Estudar um deles da semana, na ordem, à cada dia.


Ensinar significa 4ª semana

 

22º DIA - Toc, Toc
Pessoalmente, dedico minha vida a me conectar com a Luz não somente por precisar de respostas, mas também por saber que minhas respostas podem beneficiar outras pessoas. É isto que se chama ser um canal.
Todos nós temos amigos, familiares e colegas que vêm a nós com suas próprias perguntas profundas. O melhor a fazer é fechar os olhos (se estivermos sozinhos), esvaziar a mente, cancelar todos os pensamentos e percepções (o máximo que conseguirmos), e pedir a resposta à Luz.
Queremos evitar dar uma resposta que vem de nós. Se for preciso, podemos dizer que não sabemos e que entraremos em contato mais tarde. Às vezes dizer “eu não sei” é a atitude mais espiritualizada possível. A única coisa que precisamos saber é que quando batemos na porta da Luz com força suficiente, obteremos uma resposta.
Todos nós podemos fazê-lo – é por isso que estamos aqui. Somos todos providos com este poder inato. Tudo que precisamos fazer é silenciar as freqüências na nossa mente e entrar em sintonia com a Luz.
É claro, quanto mais desejarmos e buscarmos esta capacidade, mais ela se desenvolverá. No entanto, já somos canais incríveis. Simplesmente saber disso já nos ajudará em nossa busca por respostas.
Esta semana, pratique ser um canal em toda chance que tiver. Existem inúmeras oportunidades durante o dia. Quando nossos amigos nos contam seus dilemas no trabalho, queremos pedir a resposta à Luz e afastar para bem longe nosso interesse próprio. Quando queremos saber o que escrever num e-mail para um amigo com quem tivemos uma discussão, é isto que queremos fazer. De pequenas a grandes perguntas, à medida que praticamos este dom e o integramos à nossa vida, veremos milagres incríveis..
Em última instância, ser um canal é estar no lugar certo na hora certa, dizer e fazer o que é certo. É isto que todos nós podemos ter se vivermos a vida com esta consciência.
O céu é o limite.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

23º DIA - Luz e Escuridão

A vida parece ser complicada, mas não é. Somos nós que complicamos nossa própria vida. Criamos caos a partir da ordem. Nós bagunçamos tudo, continuamente piorando as coisas, simplesmente por não entendermos o propósito da vida e como ela funciona.
A primeira coisa que precisamos entender é que a vida é tão simples quanto escuridão e Luz. Não estou falando metaforicamente quando digo Luz. Nem estou usando a palavra escuridão alegoricamente. Somente duas coisas existem neste mundo: escuridão e Luz. A vida parece ser complicada porque a escuridão tem uma variedade praticamente infinita de tons e a Luz vem em inúmeras cores. Todavia, no cerne de tudo que existe, você encontrará escuridão ou Luz.
Desde o momento do nosso nascimento, escuridão e Luz são as únicas coisas que existem. Nosso crescimento e o aumento da nossa força são manifestações da Luz. À medida que começamos a envelhecer, nossa fraqueza gradualmente crescente é uma expressão da escuridão. De forma semelhante, quando estamos felizes, cheios de entusiasmo, transbordando de otimismo e preenchidos com uma atitude de eu posso tudo, isto é a Luz se expressando em nossa consciência. Essas emoções positivas são somente o efeito da Luz, que é, ela mesma, a causa por trás de toda nossa felicidade.
De modo oposto, quando estamos pessimistas, deprimidos, apáticos e cáusticos, essas são manifestações de escuridão crescente em nossa consciência. Mais uma vez, essas emoções negativas são o efeito; a escuridão é a causa.
Agora, se algo externo estiver causando sua dor, como um divórcio ou uma súbita queda nas finanças, isto também é uma expressão de escuridão crescente em nossas vidas – mas desta vez a escuridão está afetando o mundo ao nosso redor. O divórcio é o efeito; a escuridão que de alguma forma se infiltrou em nossas vidas é a causa. De forma semelhante, quando a oportunidade certa de negócios aparece, quando conhecemos a garota de nossos sonhos ou o cara certo, isto significa que a Luz entrou em nossas vidas Nossas emoções, nosso estado mental, nosso estado de consciência, e cada acontecimento que ocorre ao nosso redor são meramente uma expressão seja da escuridão, seja da Luz que atraímos para nossa vida.
Nada mais existe.
O problema da humanidade é que não nos ensinaram a pensar ou viver de acordo com este paradigma simples. Vivemos a vida por tentativa e erro, sem nunca saber que, na verdade, tudo é simples como escuridão e Luz.
Essas considerações nos conduzem a uma pergunta que pode estar surgindo agora na sua mente: como podemos aumentar a quantidade de Luz nas nossas vidas? E, o que é mais importe, onde está a Luz?
Cada vez que abdicamos de um desejo egoísta e escolhemos o comportamento abnegado – cada vez que escolhemos nossa resposta ao invés de reagir – fazemos uma mudança em nossas vidas. E com cada mudança recebemos um pouco mais de Luz. Nossos esforços beneficiam também nossas familiares, dando-lhes força adicional para identificar a transformar seu próprio egoísmo. E quando uma família vivencia o poder da transformação espiritual e se conecta com o mundo da Luz, esses benefícios se estendem aos seus amigos, vizinhos e à sua comunidade.
Esta semana, espalhe mais Luz na sua vida! Quando pessoas pelo mundo todo forem bem sucedidas em se afastar dos ditames do ego em direção à abnegação, o planeta inteiro será transformado num paraíso.
Este é o propósito da vida, e as ferramentas oferecidas pela Kabbalah podem nos ajudar a atingir esse objetivo.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

 

24º DIA - Ambição Iluminada

Os kabbalistas revelam uma verdade assustadora: cada pensamento, cada impulso, cada emoção reativa acionada causada pelo ego em nossas mentes é uma arma do Oponente. Esses pensamentos e emoções não nos pertencem. Nós só achamos que eles nos pertencem. Na verdade, a única hora que entramos em contato com nossa alma e com a verdadeira felicidade é quando resistimos a esses pensamentos.
Quando reconhecemos a voz do ego como a voz do Oponente, podemos fazer algo profundo: o oposto do que o ego nos manda fazer. Quando vamos contra as vontades do ego, deixamos de estar recebendo. Passamos a estar compartilhando
Vamos ver agora em termos mais práticos o que significa receber, o que significa compartilhar, e o que significa fazer o oposto do que o Oponente está nos compelindo a fazer.
Em vez de gritar, falamos em voz baixa.
Em vez de insultar, elogiamos.
Em vez de pegarmos, nós damos.
Em vez de nos preocuparmos, despertamos a certeza e assumimos o controle.
Em vez de ter medo, reunimos coragem.
Em vez de procurar vingança, oferecemos o perdão.
Em vez de culpar o outro, assumimos responsabilidade.
Em vez de se fazer de vítima, somos responsáveis.
Em vez de meramente lidar com um problema, buscamos curá-lo.
Em vez de reclamar, começamos a apreciar.
Em vez de procurar o que há de negativo numa situação, encontramos o positivo.
Em vez de julgar os outros, vemos o que eles têm de bom.
Em vez de fazer fofoca e falar mal dos outros, mudamos de assunto, ou simplesmente nos afastamos.
Em vez de listar motivos pelos quais a vida é injusta, começamos a contar nossas bênçãos.
Em vez de calcular como alguma coisa nos trará benefício, pensamos em alguma maneira de garantir que a outra parte se beneficie.
Em vez de reagir a situações externas, resistimos e nos tornamos proativos. Está pegando a idéia? Ótimo. Meu pai Rav Berg constantemente enfatizou um ponto ao longo dos anos, uma coisa que precisamos nos lembrar esta semana: todo este comportamento do contra não é motivado por moral, ética, ou por algum ideal nobre. Na verdade agimos assim por ser o melhor negócio. É a conduta inteligente. Vale a pena. Meu pai chama isto de Ambição Iluminada. Não se engane, é ambição, pura e simples — mas não pelo ouro de tolos. É ambição pela coisa real, pela própria Luz.
E esta Ambição Iluminada é o motivo para se percorrer o caminho kabbalístico.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

25º DIA - Assunto de família

Cada um de nós vem a este mundo com um conjunto específico de metas espirituais a serem realizadas no decorrer da vida. Essas mudanças acontecem dentro da pessoa, mas não são limitadas ao indivíduo. Kabbalisticamente, os filhos não herdam somente nosso DNA, herdam também uma porção da nossa consciência. Na verdade, DNA, moléculas e átomos são somente diferentes níveis de consciência.
Desta forma, cada vez que o pai ou a mãe se transforma, mudanças acontecem também em seus filhos. Da mesma forma, quando os filhos adotam a espiritualidade, a partir da idade de doze ou treze anos, qualquer transformação pela qual eles passarem influenciará também seus pais. Um cordão umbilical espiritual conecta eternamente pais, filhos e irmãos.
Quando um barco se eleva, todos vivenciam um pouco desta nova elevação; quando um barco cai, todos na família afundam um pouquinho. O propósito de uma família é criar uma oportunidade para interações constantes que nos permitem descobrir os lugares dentro de nós em que desejos egocêntricos governam nossa conduta.
Parentes têm o talento incômodo de ativar reações dentro de nós, nos oferecendo desta maneira uma oportunidade de não reagir. Toda vez que abdicamos de um desejo egoísta e escolhemos o comportamento altruísta – cada vez que escolhemos nossa resposta em vez de reagir – fazemos uma mudança em nossas vidas. E com cada mudança, recebemos um pouco mais de Luz.
Como vimos, nossos esforços beneficiam também nossos familiares, dando a eles força adicional para identificar e transformar seu próprio egoísmo. E quando uma família vivencia o poder da transformação espiritual e se conecta com o mundo da Luz, esses benefícios se estendem a seus amigos, vizinhos e comunidade. Quando pessoas ao redor do mundo têm sucesso em se afastar dos ditames do ego em direção à abnegação, o planeta inteiro é transformado num paraíso.
Para o inicio deste novo ano, que todos nós compreendamos que uma ótima maneira de trazer a paz na terra (e em nossos espíritos) é ser consciente e proativo em casa. Quanto mais compaixão, tolerância e autoconsciência demonstrarmos para nossa família, mais veremos isto refletido no mundo como um todo.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

26º DIA - Relacionando-se com pessoas

O histórico relato de Moisés como o escolhido para liderar a grande saída do Egito. Se você tiver lido esta parte da Bíblia ou do Zohar, sabe que Moisés era o homem mais despretensioso e humilde que se possa imaginar. Quando Deus o escolheu para ser o líder dos israelitas, ele era do tipo de pessoa capaz de responder: “Quem eu?”
Como o homem que libertou 600.000 pessoas da escravidão e que foi o canal para revelar os segredos do universo podia ter uma autoestima tão baixa?
Como explica o Zohar, Moisés não tinha autoestima baixa. Ele simplesmente era humilde. Os kabbalistas sempre enfatizaram que a maior virtude que um ser humano pode ter é a humildade.
As credenciais de Moisés para a grandeza eram sua capacidade de se relacionar com todos. Esta é uma coisa que você precisa se esforçar para incorporar a sua vida. Quando você luta para ter sucesso na vida, pode parecer que é o maior e o melhor quem vence. O que Moisés está nos ensinando é que um verdadeiro sucesso é uma pessoa que consegue se colocar no nível de seja quem for com que esteja conversando. Isto é humildade.
Esta semana, pense nas pessoas que você tem mais dificuldade de atingir. Seja brutalmente honesto e pergunte a si mesmo: “Por quê? Por que não atinjo esta pessoa?” Pergunte a si mesmo por qual transformação você precisa passar para se trazer para o nível dele ou dela.

Se você tiver um amigo que esteja passando por um divórcio e esteja muito carente e desequilibrado, não diga a ele que aguente o tranco e siga em frente. Desça ao nível dele e descubra o que ele está preparado para ouvir.
Seja o que for que você esteja tentando comunicar, preste muita atenção para ver de onde está vindo sua mensagem. Se estiver vindo de raiva, frustração ou pena, essas emoções somente atrapalharão sua capacidade de se relacionar com a outra pessoa.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

27º DIA - Mais moedas, por favor

Quando eu era pequeno, com frequência meu pai me contava uma história que aprendeu com seu mestre, Rav Brandwein, sobre como lidar com situações que parecem ser difíceis ou problemáticas.
Um proprietário de terras na Rússia disse ao seu ajudante que tinha que viajar por algumas semanas e ordenou que ele tomasse conta de tudo enquanto estava fora. Quando o proprietário foi embora, todos os trabalhadores se reuniram contra o ajudante e passaram a bater nele umas dez vezes por dia. O ajudante voltava todo dia para casa muito machucado e com olhos cheios de lágrimas. Sua mulher o consolava e o lembrava que eles precisavam do dinheiro que ele estava ganhando para viver.
Três semanas se passaram e o proprietário das terras voltou. Ele viu o ajudante todo roxo. Perguntou como ele tinha ficado nesse estado e o ajudante contou ao patrão tudo que tinha acontecido desde que ele tinha ido embora. O proprietário investigou, descobriu que era verdade, e mandou seu tesoureiro dar ao ajudante uma moeda de ouro do seu cofre para cada golpe que tinha levado enquanto ele estava fora.
Com este dinheiro, o ajudante não precisava mais que trabalhar e podia deixar seu emprego, e assim deixaria de ter problemas com os trabalhadores.
Quando recebeu as moedas de outro, o ajudante voltou para casa chorando, com os olhos cheios de lágrimas. Sua mulher perguntou, com pena, se ele tinha levado outra surra dos agressores. “Não”, ele disse, “o dono das terras voltou hoje, e quando viu o quanto eu estava machucado e o quanto eu tinha apanhado, ele me perguntou o que tinha acontecido. Contei tudo que aconteceu, e ele ficou tão chateado e desconfortável que mandou o tesoureiro abrir o cofre e me dar uma moeda de ouro por cada golpe que recebi. Aqui estão as moedas. Elas serão o suficiente para nos sustentar sem que eu nunca mais tenha que trabalhar.”
A mulher perguntou por que ele estava chorando, já que deveria estar muito feliz. O ajudante respondeu, com lágrimas nos olhos: “Você não entende. Estou triste por não ter levado o dobro ou o triplo de golpes. O patrão teria me dado o dobro ou o triplo de moedas!”
Saiba que aqueles que buscam o caminho espiritual devem pensar desta maneira. Precisamos nos lembrar que os problemas e transtornos que parecem nos atrapalhar são somente para nosso benefício.
Quando aprendemos a ver isto na hora em que estão acontecendo, então, como o ajudante, aprenderemos a não ter medo da dor e a ver as bênçãos que ela contém.

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.

 

28º DIA - A conversa

O dom de ter a capacidade de mudar o tom da conversa constante que temos com nós mesmos. É essencial termos a percepção disto, porque os kabbalistas explicam que o enfoque mais importante é a mente. Ela controla tudo. A qualidade dos nossos pensamentos determina a qualidade da nossa vida.
Imagine ouvir um bom amigo falando mal de si mesmo. Ou melhor ainda, seu filho. Quando ouvimos nossos filhos se autodepreciando, naturalmente dizemos a eles o quanto são maravilhosos.
Será que fazemos o mesmo por nós mesmos?
A Luz do Criador está nos cutucando para termos uma melhor percepção de como falamos com nós mesmos. Somos defensores ou adversários? Muitos estão totalmente acostumados a se convencer de que não são suficientemente bons, graças a uma programação falha na infância, ou a vidas passadas, ou o que for. Mas nos próximos sete dias queremos nos convencer de que somos bons, de que nenhuma montanha é alta demais para ser escalada, de que nenhum obstáculo é grande demais para ser superado.
Antes de deixar esta página e voltar para os assuntos do dia, por favor, lembre-se de falar consigo mesmo de forma gentil e de lembrar a si mesmo que você é mais que bom.

Abrindo

Para que estas mensagens criem raiz na sua vida, você precisa de três coisas: ação + certeza + ferramentas. A sabedoria e as tarefas que ofereço se propõem a lhe inspirar a cobrir as duas primeiras. A sequência dos 72 Nomes se propõe a cobrir a última.
Para quem é novo na Kabbalah, ou para os alunos antigos para quem cai bem uma revisada, esta semana eu gostaria de explicar o significado dos 72 Nomes de Deus.
A Kabbalah ensina que uma tecnologia altamente sofisticada está codificada na história bíblica do Mar Vermelho (que você encontra no livro de Êxodo, capítulo 14). Três versículos contam essa história –19, 20, 21 – e cada versículo tem 72 letras. Combinando esses três versículos de acordo com uma técnica kabbalística específica, os 72 Nomes são revelados. (Você pode aprender exatamente como no livro OS 72 NOMES DE DEUS, de Yehuda Berg, Editora Rocco).
Os Nomes não tem significado linguístico ou lexicográfico. Seu significado reside puramente num nível espiritual. Eles foram revelados pela primeira vez para as almas que seguiam Moisés na saída do Egito há cerca de 3400 anos atrás, quando eles se viram encurralados entre o exército do Faraó e o Mar Vermelho. Enquanto observavam horrorizados ao exército se aproximando, as pessoas foram atacadas por medo e dúvida incontroláveis. Nesse momento, Moisés revelou os 72 Nomes. As pessoas olharam fixamente para eles, concentrando toda sua energia e desesperadamente procurando despertar os poderes espirituais invencíveis dos Nomes.
Mas nada aconteceu! Nem uma única molécula de água se moveu até que uma pessoa resolveu se mexer e entrou no mar com total certeza. Foi só quando ele estava com as ondas pela altura do pescoço – e mesmo assim mantendo uma certeza completa – que o mar se abriu, oferecendo a todos eles a passagem para a liberdade.
Esta total certeza – combinada com uma ação física – era necessária para ativar a energia divina dos Nomes, e continua sendo necessária 3400 anos depois. Para obter controle sobre a mãe natureza, você precisa dominar as forças da sua própria natureza interna.
O poder para fazer isto está pronto e esperando por você esta semana, o momento na história em que os Nomes foram revelados pela primeira vez…

Shefa brachot! (Abundância de benções)
Beijos de Amor e Alegria na Luz do Nome Inefável.


Voltar